sexta-feira, dezembro 31, 2010

TITANIC CORAÇÃO DO OCEANO IV

DOCUMENTÁRIO TITANIC HEART OF THE OCEAN
PARTE IV
Um documentário making of do filme que vale apena assistir na integra.

sexta-feira, dezembro 24, 2010

TITANIC CORAÇÃO DO OCEANO III

DOCUMENTÁRIO TITANIC HEART OF THE OCEAN
PARTE III
Um documentário making of do filme que vale a pena assistir na integra.

sexta-feira, dezembro 17, 2010

TITANIC CORAÇÃO DO OCEANO II


DOCUMENTÁRIO TITANIC HEART OF THE OCEAN
PARTE II
Um documentário making of do filme que vale a pena assistir na integra.

sexta-feira, dezembro 10, 2010

TITANIC CORAÇÃO DO OCEANO I

DOCUMENTÁRIO TITANIC HEART OF THE OCEAN
PARTE I
Um documentário making of do filme que vale a pena assistir na integra.

sábado, dezembro 04, 2010

BOTÕES DE PUNHO ROUBADOS
Uns botões de punho que se acredita terem sido propriedade de um sobrevivente do desastre do Titanic foram roubados num assalto. A Polícia do Sul do País de Gales está investigando depois que o alarme foi dado de que um ladrão fugiu com os botões, bem como jóias e electrodomésticos, num prejuízo de quase 5ooo€. A vítima, um homem de 60 anos, comprou os botões há 25 anos num joalheiro de antiguidades em Birmingham, onde lhe foi dito que foram propriedade de um sobrevivente do Titanic. A vítima disse na noite passada: "O facto de já possuí-los há tanto tempo e de agora os ter perdido, deixa-me profundamente triste." Uma das extremidades dos botões de ouro é abobadada e de forma oval, com a outra extremidade em forma de bala, mais aguçada e menor em diãmetro. As duas partes são ligadas por uma pequena corrente. Os botões são descritos como sendo de design bastante simples e relativamente pesados. O roubo aconteceu em Bridge Road, Old St Mellons, Cardiff, entre as 10:30 e as 14:30 do passado dia 13 de Novembro. O ladrão arrombou a entrada das traseiras e roubou os bens depois de remexer todas as divisões da casa. Steve Jones, do Centro de Investigação de Llanishen disse: "Gostaríamos de pedir que se alguém viu algo suspeito em Bridge Road e arredores naquele dia, ou encontrou algo que acredite poder estar ligado a este assalto, que por favor contacte a polícia." Qualquer pessoa que tenha informações pode entrar em contacto com a polícia ligando a linha de apoio 101 e dar o número de ocorrência 397086, ou ligar anónimamente para o 0800 555.111.
Nota: os botões na imagem não são os descritos na notícia, sendo meramente ilustrativos,. Se pretende adquirir esses botões White Star Line por menos de 20€ clique
aqui.

domingo, novembro 28, 2010

FAMILIAR DE VITIMA DO TITANIC ESCREVE LIVRO
Pauline Barrett, acaba de publicar "The Addergoole Titanic Story", combina a precisão de historiadora com o inegável talento de escritora.
Que novelista não teria orgulho de escrever a seguinte descrição vívida da manhã de Abril de 1912, quando os 14 jovens da Paróquia Addergoole (Lahardane) colocaram os seus parcos pertences na bagagem de um carro, em preparação para a longa viagem para o porto de Queenstown (Cobh)?
Ela escreveu: "O dia estava apenas a começar e já era hora de partir. Naquela manhã da partida, permaneceu em cada casa uma tristeza, em cada cozinha um vazio, quebrado apenas pelo eco dos sapatos sobre as talhas do chão de madeira, ou o farfalhar suave de uma peça de vestuário. Pouco foi falado. Nos momentos finais, ninguém pode descrever o que terá passado pelas mentes dos nossos emigrantes, sabendo que muito em breve teriam de se despedir de seus entes queridos... Caminhando em direcção a porta de suas casas de infância, talvez pela última vez e nunca mais ver a mãe, pai, irmã, irmão ou vizinho." A publicação do livro The Addergoole Titanic Story faz parte das comemorações do 100º aniversário do RMS Titanic, na aldeia norte de Mayo que viu partir 14 passageiros para o malogrado navio. Apenas três dos 14, que viajavam todos na terceira classe, sobreviveram. Como Barrett aponta no prefácio de seu livro, a história dos 14 passageiros de Addergoole, há várias décadas que era raramente falada por ser muito dolorosa de se recordar, mas era sempre lembrada no coração do seu povo.
"Este livro", diz ela, "é uma oportunidade para olhar para trás para o passado das suas vidas, os acontecimentos que lhes deram forma, a viagem que empreenderam e da tragédia que se abateu sobre eles. Numa época tão diferente da nossa mas tão semelhante nos nossos corações. Um acontecimento do passado e do presente, um acontecimento para se resgatar e contar a sua história."
Jovens e idosos de Addergoole, assim como muitos curiosos de outros pontos mais longínquos, reuniram-se no Murphy's Pub, Lahardane, na passada noite de sexta-feira para o lançamento do livro há muito esperado.
Barrett e outros oradores como o Dr. Paul Nolan e 'Toss' Gibbons da The Addergoole Titanic Society (ATS) enquadraram estes passageiros no cenário que se vivia na época. Os '14 de Addergoole', explicaram, nasceram num momento em que a emigração era necessária no meio rural de Mayo. Era uma época de dificuldades económicas, fosse ela uma situação herdada ou de procura de vida melhor. Décadas de emigração tornaram-se uma forma de vida aceitável proporcionando um negócio próspero para os agentes e linhas de navegação do próprio país. Semanalmente anúncios nos jornais locais informavam dos detalhes da travessia, oportunidades e opções de viagem para os passageiros que pretendessem uma passagem, ilustrando com fotografias antigas e novas. Se pretender uma cópia do livro, sugerimos que contacte o autor, Pauline Barrett, directamente pelo telefone (086) 2180019.
Pauline, por sinal, é familiar de James Flynn, de Cuilnakillew, passageiro que perdeu a vida na tragédia do Titanic.
Os 14 que viajavam na terceira-classe eram:
John Bourke 42 anos, morreu no naufrágio
Catherine Bourke (esposa de John), 32 anos, morreu no naufrágio
Mary Bourke (irmã de John), 40 anos, morreu no naufrágio
Nora Fleming, 24 anos, morreu no naufrágio
Mary Mangan, 32 anos, morreu no naufrágio
James Flynn, 28 anos, morreu no naufrágio
Annie Kate Kelly, 20 anos, sobrevivente
Bridget Donohue, 21 anos, morreu no naufrágio
Delia Mahon, 20 anos, morreu no naufrágio
Delia McDermott, 31 anos, sobrevivente
Pat Canavan, 21 anos, morreu no naufrágio
Mary Canavan (prima de Pat), 22 anos, morreu no naufrágio
Annie McGowan, 17 anos, sobrevivente
Catherine McGowan (tia de Annie), 42 anos, morreu no naufrágio
Podem visitar o site da The Addergoole Titanic Society (ATS) aqui

domingo, novembro 21, 2010

EM DEFESA DE ROBERT HICHENS
Foi com grande espanto que muitos receberam a informação de que a real "razão" para o Titanic afundar foi porque um dos membros da tripulação não sabia distinguir a direita da esquerda. Isto foi revelado no novo livro de Louise Patten, neta do segundo oficial do Titanic, Charles Lightoller. Lightoller foi o oficial mais graduado a sobreviver ao naufrágio. Dado que o Titanic afundou há cerca de um século atrás, onde as regras de etiqueta tanto em voga obrigavam a necessidade constante da utilização de um de ambos os lados, esquerdo e direito, como no servir à mesa, etc, essa explicação é na melhor das hipóteses, uma falácia. Louise Patten continua a dizer que houve um desentendimento entre os termos, náuticos então, comumente usados, 'Hard to Starbord' e 'Hard to Port'. Isso não faz sentido algum, pois é muito difícil acreditar que a White Star Line fosse contratar para os seus serviços alguém que não sabia a diferença entre estibordo e bombordo para ficar ao leme do maior e mais luxuoso navio do mundo. É importante destacar que para a viagem inaugural, os tripulantes foram escolhidos meticulosamente, desde os oficiais aos empregados que vieram de outros navios, como o Olympic, e que iriam ficar ao serviço dos seus antigos passageiros que agora viajavam no Titanic e tão bem os conheciam. Para os mais leigos, tente-se imaginar na proa (parte da frente) do Titanic onde Rose esteve de braços abertos: o seu braço esquerdo corresponde ao lado Bombordo do navio, o braço direito ao lado Estibordo. Se até você entendeu isso com facilidade, acha que Hichens, o homem do leme naquela noite não saberia distingui-lo? Erros todos cometem, mas essa é uma das lições primárias de um marinheiro, e estes homens estão preparados para agir em situações de tensão. O livro tenta passar a informação aos leitores que, pouco antes do naufrágio, os oficiais tiveram um encontro onde foram informados do erro do tripulante. É ridículo esperar que, no tumulto causado por um navio prestes a afundar, os oficiais teriam um momento para confraternizar e apontar o dedo para o culpado do naufrágio do navio. Este tráfico de falsidades só pode ser atribuído à necessidade de aumentar as vendas do autor e elevar o seu avô ao status de herói. Relembro também, que em 2005 o TitanicFans publicou um artigo sobre o assunto quando no filme de James Cameron o 1º Oficial Murdoch dá a ordem «Hard to Starboard!» (Tudo a Estibordo!) vemos o Contramestre Hichens ao leme do Titanic que o roda todo para o lado esquerdo, ou seja Bombordo, e seguidamente vemos o navio rodar então para o mesmo lado. James Cameron recebeu centenas de cartas que diziam que a ordem estava incorrecta, pois se o rasgo no casco foi a estibordo, a ordem deveria ter sido "tudo a bombordo". Contudo, não há dúvidas que a ordem foi "Tudo a Estibordo" e que o rasgo foi a Estibordo também. Teria então sido Murdoch a cometer o suposto lapso? Na expedição de Julho de 2005 com cobertura pelo canal Discovery, James Cameron comenta ao vivo que na época, quando se mandava virar para um dos lados, a pá do leme viraria para o lado contrário fazendo o navio ir no sentido indicado, defendendo que o procedimento é "Históricamente Correcto".

sábado, novembro 13, 2010

COMENTÁRIO DO PUBLICADOR
"Olá amigos do Titanic Fans!
À Convite do amigo Mário, aqui estou pra contar um pouco mais do Livro Titanic Fans.
Meu nome é Rodrigo, moro no Brasil, tenho 24 anos e sou um admirador do Titanic desde 1997, quando James Cameron lançou o grandioso filme... Comecei a colecionar sobre o assunto em 2002 e de lá pra cá, já acumulei tanto material em papel, como filmes e alguns vários trabalhos sobre o navio, o qual faz parte de meu cotidiano, tento manter contato com várias pessoas que assim como eu, tem fascínio por esta história... Conheci o Titanic Fans através de um outro BLOG, o Titanic Momentos, que pertence ao amigo e colaborador José Alencar... Desde então acompanho os dois BLOGS com grande expectativa, pois nos dias atuais são os únicos GRANDES meios na WEB em língua portuguesa onde o assunto é Titanic. Algum tempo atrás senti a necessidade de ter em meu acervo todo este material exclusivo, mas não em meios virtuais, resolvi então editar todo este material para que pudesse ser transformado em livro, pois assim poderia eternizar estes grandes trabalhos e também tê-los à mão a qualquer momento. O primeiro BLOG que editei foi o Titanic Momentos, o qual resultou em dois volumes, num total de 370 páginas, as quais tiveram de ser impressas ( por mim ) somente em preto e branco. Gentilmente, o amigo Alencar publicou uma matéria sobre este trabalho: (veja aqui). Há alguns dias, aproveitei o tempo e a oportunidade para realizar este trabalho também com o Titanic Fans, mas desta vez foi possível fazer estas impressões na versão em cores. Foram cerca de 4 dias de trabalhos, onde eu primeiramente selecionei e copiei todo o material postado desde 2005 e montei um arquivo Word, onde fiz todo o trabalho de paginação e formatação. Trabalho feito, o passo seguinte foi fazer as impressões, que tiveram de ser em grupos de no máximo 20 páginas, devido às configurações de minha impressora. Ao final de um dia estavam prontas as impressões, num total de 385 páginas, agora era hora de mandar encadernar. Mas primeiro comuniquei ao amigo Mario e pedi à ele que escrevesse uma introdução, era algo importante, pois o grande trabalho é dele, sendo assim queria que ele estivesse pessoalmente presente neste livro. Gentilmente ele escreveu a introdução e enviou-me via e-mail, a qual editei colocando a foto de nosso amigo ao rodapé da página... Levei todo o material ao centro da cidade e lá escolhi o material da capa e o enunciado, cerca de 5 dias depois estava pronto, como vocês podem ver nas fotos. Faço este trabalho por dois motivos: A história do Titanic deve ser preservada, tem muito a ensinar. Apesar de ter se passado há tantos anos é uma história atemporal. E um trabalho de pesquisa, tradução e edição como este não pode estar disponível apenas em formato virtual, deve ser preservado também de outros modos. É um trabalho dedicado, de um amigo que além de divulgar o Titanic na língua portuguesa é um grande admirador desta história, repassando tudo isto com grande dignidade. Fico feliz em estar aqui contando este meu trabalho, mas o mérito foi e sempre será de nosso amigo Mário, que sem dúvida merece os parabéns pelo trabalho realizado. Abraço a todos! 2012 vêm aí e a história não pára, pelo contrário, a cada dia novas descobertas!"
Por Rodrigo Piller

terça-feira, novembro 09, 2010

TITANICFANS O LIVRO
Post 530 e nasce um livro, cinco anos de publicações num só livro! Agradeço acima de tudo ao excelente editor e publicador que é o meu amigo e parceiro Rodrigo Piller! Para ele vai este post de profundo agradecimento e alegria que é ver sair do mundo virtual o sonho tornado realidade em papel cuidado e decoração excelente que é este livro maravilhoso! Venham mais cinco anos e uma segunda edição! Assim seja! Obrigado Rodrigo Piller, obrigado a todos por fazerem parte deste projecto!

domingo, novembro 07, 2010

UM HERÓI
Durante quase um século, o timoneiro que dirigiu o Titanic na rota do iceberg foi punido por provocar o desastre, e ter então sacrificado a outros para salvar a sua própria vida. O contramestre Robert Hichens foi ridicularizado por supostamente ter virado o leme do navio para o lado errado, levando o navio inafundável a um acontecimento catastrófico. Mais tarde ele foi condenado ao ostracismo, depois dos sobreviventes estarem no seu bote salva-vidas, ele afastou-se com o bote, alegou que remou para longe do condenado navio, apesar dos apelos para voltar atrás e resgatar os passageiros que continuavam a gritar por socorro na água gelada. Pago pelos seus superiores para ficar em silêncio, Hichens ficou na lista negra das companhias marítimas mais importantes, mas manteve os seus segredos, mesmo com a infâmia a destruir-lhe a vida, vida essa que terminou consigo num estado lastimável, bêbado e participando no tráfico de armas no rio chinês Yangtze. Quando morreu, foi sepultado no mar em Setembro de 1940 com apenas 58 anos, dessa forma, parecia que os seus segredos tinham ido consigo para o fundo do oceano, para sempre. Mas agora, o seu testemunho pessoal e emocionante daquela noite em que o Titanic foi para o fundo pode ser contada pela primeira vez agora que a sua família finalmente quebrou o seu silêncio de quase um século. A sua história revela um drama cheio de decisões de cortar o coração, ele teve de tomar sob extrema pressão a decisão de vida para alguns - e a morte para outros. Os netos de Hichens, Sue e Paul Neal Woolgar, revelaram como o seu avô ficou assombrado pelos gritos das pessoas que morriam na água enquanto ele remava para sua segurança, e que ele manteve-se convicto do seu papel na tragédia, até aos seus últimos dias, convencido de que as suas acções teriam salvo a vida das pessoas que se encontravam no seu bote. Sue, de 58 anos, disse: "Ele vivia amargurado por ser um bode expiatório. Ele sempre disse que arruinaram por completo a sua vida e que tinha sido injustamente escolhido para ser o culpado de tudo. Se isso tivesse acontecido no mundo de hoje, ele teria sido aclamado como um herói por permanecer no seu posto e depois salvar tantas vidas quanto podia." Os detalhes das lembranças de Hichens permaneceram como o segredo mais bem guardado, no seio da fsua amília, desde que o orgulho da White Star Line partiu na sua viagem inaugural, e na madrugada de 15 de Abril de 1912 se afundou, com a perda de 1.517 almas. Hichens falou em dois inquéritos, mas depois foi pago pelos proprietários do Titanic para ficar em silêncio. Ele nunca mais falou das suas lembranças, excepto à sua família. Eles mantiveram assim o segredo por 98 anos, mas os seus netos, finalmente, decidiram intervir para impedir que ele seja para sempre marcado como um vilão nos livros de História. Esta decisão veio depois de um novo livro ter sido lançado, e aqui falado no TitanicFans, em que se afirma que o navio poderia ter continuado em segurança - mas foi condenado depois de Hichens ficar confuso com a decisão do seu superior e virou o leme para o lado errado, enviando o navio directo ao iceberg. Hichens contou a sua experiência dramática, de como foram os momentos finais do navio e a sua sobrevivência à sua filha Ivy, e que assim passou a história aos seus filhos antes de morrer em 1973, aos 58 anos. Sue, de Hounslow, Middx, disse: "Dói muito ler que o nosso avô, tenha supostamente dirigido o leme para o lado errado e causou o desastre. Ele sempre disse que no momento em que avistou da ponte o iceberg, já era tarde demais para tirá-lo da rota, porque o navio estava seguindo tão rápido e demorou demais para virar. Ele referiu que o pânico se instalou por toda a parte no momento em que atingiu o iceberg. Todos corriam mas a tripulação não acreditava que iriam afundar. Mesmo quando chocaram com o iceberg, ele disse que tinha permanecido ao leme tentando manobrar o barco e a mantê-lo estável até que foi mandado para o bote seis. Ele fez o seu dever. O seu relato é muito honesto e eu acredito que se ele poderia ter feito algo diferente que ele teria nos contado." Se Hichens ao leme foi considerado culpado, o seu comportamento no bote salva-vidas o indicou aos olhos do público como um bandido e um covarde. O bote 6, poderia embarcar 65 pessoas, mas deixou o Titanic às 00:55 com apenas 28 pessoas a bordo. Foi um dos botes salva-vidas a descer primeiro. A sua reputação foi manchada com o depoimento da nova rica Margaret Brown após o desembarque em Nova Iorque. Conhecida hoje como "Inafundável Molly Brown", ela rapidamente se tornou uma heroína devido a forma como contou a sua história de coragem e sobrevivência. Molly contou como ajudou na evacuação das mulheres e crianças, como remou no barco salva-vidas e contou sobre o seu pedido a Hichens para voltar e salvar aqueles que ainda estavam na água. Contudo a família de Hichens contou que ele sempre insistiu que a sua decisão salvou a vida de quem mais tarde o terá difamado. Sue disse: "A minha mãe disse-me que ele lhe contara que nunca conseguiu tirar da cabeça os gritos dos que morriam na água. Ele teve pesadelos até o dia em que faleceu. Ele disse que iria lembrar-se sempre dos gritos e das luzes do Titanic enquanto afundava, deixando-os depois no escuro do oceano. Mas foi-lhe dada a ordem de remar e levar o bote para longe do Titanic e que foi exactamente o que ele fez. Tinham de manter o rumo porque todos sabiam que quando o barco se afundasse iria sugar tudo com ele. Alguns passageiros tentaram convencê-lo a voltar, mas ele disse que nessa fase ele já estava a alguma distância do navio e recusou fazê-lo. Ele disse que não poderia ter voltado para trás porque havia tanta gente na água, que todos teriam tentado subir a bordo e virar o barco. Ele estava no comando do bote e ele acreditava que as suas decisões em última instância lhes salvaram as vidas. Ele manteve esta posição até o fim." Hichens contou como na ponte tiveram conhecimento, antes de embarcarem os passageiros, de que não havia botes salva-vidas suficientes para todos a bordo. No entanto, crendo que o navio não iria ao fundo e que alguns poderiam regressar mais tarde, os botes foram apenas parcialmente preenchidos até que se aperceberam que as coisas estavam a ficar mais sérias e começaram a encher os botes. Paul, neto de Hichens com 64 anos disse: "A história tem culpado o meu avô, mas é injusto. Ele fez tudo o que podia e foi arruinado pelo que aconteceu naquela noite. "Se fosse hoje os sobreviventes teriam sido acompanhados e reentegrados, mas isso foi-lhe negado pelos seus superiores e teve que recomeçar a vida da melhor maneira que pôde. As suas acções salvaram vidas e eu estou orgulhoso dele." disse o neto de Hichens, "até o momento em que o Titanic bateu no iceberg a cerca de 400 quilômetros ao sul dos Grandes Bancos da Terra Nova ele tinha sido exemplar. Ainda assim, apesar da sua notoriedade, o desastre deixou-o incapaz de encontrar trabalho em navios britânicos. Dirigiu-se para Hong Kong, onde ele confessou mais tarde a sua família, que recorreu ao tráfico de armas no rio Yangtze. Uma fotografia desbotada de 1928 mostra-o a bordo de um navio no seu uniforme, esta é uma das poucas lembranças que a família ainda tem do homem que supostamente afundou o Titanic, outra lembrança é um mapa que ele mesmo fez de todas as viagens que efectuou. Hichens recorreu à bebida e afundou-se na vida tanto quanto o Titanic, endividado, lutando para lidar com o tormento do que tinha acontecido no Titanic. Ele morreu de problemas cardíacos em 23 de Setembro de 1940, a bordo do cargueiro Inglês Trader. Foi sepultado no mar ao largo da costa da Escócia. A sua família afirma que ele foi mais uma vítima infeliz de uma das catástrofes marítimas mais mortais da história em tempo de paz. Das 2.223 pessoas a bordo do Titanic, só 706 sobreviveram. Mas, como a sua família insiste, o mais criticado da tripulação do Titanic foi para o seu leito de morte, insistindo que, se não fosse ele, o número de vítimas teria sido ainda maior.

segunda-feira, novembro 01, 2010

CARTA DE FRANK MILLET
Últimamente assistimos ao ressurgir de documentos históricos completamente esquecidos no tempo e que agora voltam à luz para conhecimento de todos. Uma carta escrita a bordo do Titanic antes de se afundar no Atlântico, descreve o condenado navio em detalhe. A nota, escrita por um jornalista norte-americano para um artista que vivia na Broadway, encontra-se nos arquivos do escritório Worcestershire County Council. O autor foi o artista e jornalista Frank Millet, uma das 1.517 pessoas que morreram quando o navio "inafundável" foi para o fundo em Abril de 1912. Robin Whittaker, responsável pelos registros dos arquivos do escritório em County Hall, Spetchley, disse que a carta foi escrita enquanto o Sr. Millet estava a bordo do malogrado navio. Foi enviada ao pintor e designer de jardim Alfred Parsons via Irlanda. Whittaker disse em entrevista que o documento "descreve com bastante detalhe o luxo do navio." Entre os comentários do Sr. Millet sobre o ambiente a bordo encontramos este:" Ele tem tudo, excepto taxis e teatros ", e "eu tenho o melhor quarto que alguma vez já tive num navio e nem sequer é um dos melhores camarotes existentes a bordo, tenho um grande armario onde pendurar as minhas roupas e uma janela quadrada grande que me permite ter imensa luz." Ele também mencionou como as suites "com as suas cortinas de damasco e mogno e mobiliário de carvalho são realmente muito sunptuosas e de bom gosto". Contudo, Frank Millet foi menos elogioso quanto aos seus companheiros de viagem, dizendo que "um número detestável de mulheres americanas que mostravam a sua ostentação eram o flagelo de qualquer lugar a bordo, infestavam qualquer lugar". A carta foi doada ao departamento de arquivos do escritório pelas netas do Sr. Parsons.

domingo, outubro 24, 2010

PHILIP FRANCIS VIGOTT
Uma visão interessante sobre a vida de um marinheiro de Jersey, que escapou do Titanic quando ele afundou, em 1912, foi encontrado. Philip Francis Vigott nasceu em 6 de Outubro de 1876 filho de Philip Vigot (agricultor) e sua esposa Eliza. Vigott tinha 32 anos quando embarcou no maior navio do mundo, era natural de St Marys, Jersey, Channel Islands. Antes de servir no Titanic, Vigott serviu no Kinfauns Castle ganhando £5 por mês. No dia 6 de Abril de 1912, quatro dias antes do navio partir, Philip Francis Vigott teve que preencher um inventário dos seus pertences pessoais e indicou o seu endereço como sendo no nº2 de Windsor Terrace, (Southampton). Esta lista de pertences foi enviada para a Jersiaise Société por uma chamada "Senhora Collins do Reino Unido". Não se sabe porque Philip Vigott teve que preencher tal documento, com o cabeçalho "White Star Line, RMS Titanic" e datado de 05 de Abril de 1912, mas na lista dos seus pertences, encontrava-se um abre latas, um canivete, um isqueiro, um anel de ouro, três peças de talheres (garfo, faca e colher) e um relógio de bolso prateado. Parentes de Vigott, que ainda vivem em Jersey já foram convidados a relatar a história do seu antepassado que sobreviveu ao naufrágio do Titanic no bote 13. O nome no cartão diz Philip, com o sobrenome Vigott, embora seja possível ser um erro ortográfico do nome francês Vigot. O seu nome foi escrito como "Pigott" na lista da tripulação do inquérito do Senado dos Estados Unidos, noutras listas como "Vigett" e "Piggott". No Titanic assinou "Vigott". Os census de 1881 escrevem o nome da família como "Vigot". O que é certo é que ele era um membro da tripulação no condenado navio, e quando ele embarcou teve que registar os seus pertences num formulário especial, incomum, e este chegou agora a público pela desconhecida Sra. Collins do Reino Unido. Os investigadores foram incapazes de localizar a Sra. Collins já que a mesma ao enviar a carta não deixou remetente, e não há actualmente nenhum registo de qualquer família chamada Vigott ou Vigot em toda a Jersey. Anna Baghiani, bibliotecária da sociedade, disse: "O documento veio num pequeno envelope de Inglaterra, e continha um cartão preenchido na frente e no verso com os pertences de um marinheiro. O documento contém os itens pessoais enumerados pertencentes a ele. O que é bastante estranho, é de onde ele vem, é realmente interessante. Ela diz no topo White Star Line, RMS Titanic." Os pesquisadores foram capazes de descobrir que o Vigott era natural de St Marys em Jersey, mas não é certo o que lhe aconteceu em seguida. Miss Baghiani disse: "Era muito comum em famílias de Jersey que os filhos de agricultores seguissem uma carreira naval, e Vigott não foi excepção. Era digno de elogio, que os homens de família, se tornassem membros da tripulação ou fossem para o mar." Anna Baghiani espera que alguém entre em contacto, quem sabe a Sra. Collins para que eles possam agradecer-lhe e saberem mais sobre o Vigott. "Infelizmente a senhora que nos deu este documento escreveu uma nota mas não colocou qualquer endereço nele ou qualquer indício do seu primeiro nome. "Ela menciona que há uma ligação com Vigott através de um primo, mas o primo morreu no início deste ano e veio a encontrar este documento. Ela colocou um PS no final da carta dizendo "desculpe a minha escrita mas já estou velha". É uma vergonha não podermos agradecer-lhe por este documento." Pede-se agora a qualquer pessoa com informações que entre em contacto com a sociedade.

domingo, outubro 17, 2010

DEPOIMENTO ADQUIRIDO POR 23.000 EUROS
O depoimento de Laura Francatelli aqui deixado na passada semana, que conta o naufrágio do transatlântico em 1912, no qual morreram 1.500 pessoas, foi arrematado por 20.000 libras (32.000 dólares, 23.000 euros) num leilão realizado neste domingo no sul da Inglaterra, anunciou a empresa encarregada dos leilões. Numa das passagens mais vívidas do seu relato, Francatelli relata de forma detalhada o que aconteceu depois que a sua embarcação salva-vidas desceu ao mar. "Depois de algum tempo, sentaram-nos num bote dizendo que deveríamos remar para nos afastarmos do navio. Uns diziam que se o Titanic afundasse nos arrastaria para o fundo devido à sucção", escreveu ela. A oferta final do comprador, um coleccionador da Europa do Leste que preferiu não ter o nome divulgado, foi superior às estimativas mais optimistas, de 15.000 libras (24.000 dólares), esperada pela casa de leilões Henry Aldridge and Son, em Devizes, no sudoeste da Inglaterra, como parte de um leilão de objetos do Titanic. Na foto podemos ver o colete da própria sobrevivente já vendido também em leilão anteriormente.

domingo, outubro 10, 2010

CARTA DE SOBREVIVENTE EM LEILÃO
Laura Francatelli (na foto, à direita), de Londres, disse que ouviu "um barulho horrível", quando o barco se afundou e que "depois vieram os gritos e os gemidos" de 1.500 passageiros que se afogavam. O seu relato foi registado numa declaração assinada pelo inquérito oficial britânico para o desastre. Espera-se que este documento histórico chegue até às £15,000 quando for leiloado, em Wiltshire, no próximo dia 16 de Outubro. Miss Francatelli, que tinha 31 anos na época, seguia na viagem como secretária de sir Cosmo Duff-Gordon e sua esposa, Lady Lucy Christiana. O relato descreve como eles embarcaram num dos últimos botes salva-vidas contendo apenas cinco passageiros e sete tripulantes, admitindo também que não pensaram em voltar para resgatar os sobreviventes. Sir Cosmo paga posteriormente a cada um dos membros da tripulação que estiveram consigo no bote £5 - hoje vale cerca de £300 - o que alguns descrevem como suborno para os calar. Miss Francatelli disse que acordou os patrões quando a água chegou a sua cabine após o navio ter colidido com um iceberg na noite de 14 de Abril. Ela descreve: "Um homem veio até mim para me colocar um colete salva-vidas assegurando-me que era apenas por precaução e que não me deveria preocupar." "Houve um estrondo terrível quando ele se afundou. Depois vieram os gritos e os gemidos." "Quando chegamos ao convés, os botes salva-vidas estavam a descer do lado de estibordo. Notei então que o mar estava mais perto de nós do que durante o dia, e eu disse a Sir Cosmo Duff Gordon "Estamos a afundar." e ele disse: "Rídiculo, vamos embora." De início, o grupo recusou-se a entrar num bote salva-vidas porque não era permitido a Sir Cosmo embarcar, apenas mulheres e crianças. Após insistirem, então, conseguiram lugares num barco menor com capacidade para 40, o bote nº1, que apenas desceu com 12 a bordo. "Não havia mais mulheres naquela hora. O oficial viu-nos e ordenou que entrássemos, e nós dissemos que iriamos se Sir Cosmo pudesse vir também", disse Miss Francatelli. "Então quando eles estavam prontos para descer o bote, dois cavalheiros americanos que vieram do fundo do convés entraram, e assim os oficiais deram ordens para que entrassemos e nos afastassemos do Titanic." Ela disse que eles "estavam muito longe" quando viram o Titanic ir ao fundo. "Houve um estrondo terrível quando ela entrou. Depois vieram os gritos e gemidos. Eu não sei quanto tempo duraram." "Quase não falávamos. Os homens falavam sobre Deus e faziam orações e falavam das esposas. Estávamos todos na escuridão." Ela descreveu como os sobreviventes estavam amontoados no fundo do barco para se aquecerem, até que foram resgatados duas horas após o naufrágio, pelo navio Carpathia. Miss Francatelli morreu em 1967. O documento manteve-se na posse da sua família após a sua morte, e desde então tem estado no poder de dois coleccionadores particulares. A responsabilidade do leilão é de Henry Aldridge and Son, de Devizes, Wiltshire.

domingo, outubro 03, 2010

video
OBRIGADO! 500 POSTS!
Este é um trailer especial para agradacer a todos os visitantes!
As estatísticas do blog não enganam! Obrigado a todos pelas mais de 90.000 visitas nos últimos 5 anos, contamos com todos para atingir as 100.000 antes de 2012, centenário do naufrágio! Aqui ficam alguns dados interessantes do blog, vejamos os gráficos (cliquem nas imagens para ampliação). Numa visão global dos últimos 4 meses o blog tem crescido em visitas mantendo a fasquia acima das 3000 mensais. O post mais visitado A Verdadeira Rose Dewitt Bukater Beatrice Wood conta com 2196 visitas até o momento e 41 comentários. A sua publicação foi em 25 de Julho de 2006. O segundo mais visitado com 288 visualizaçõe está Jack e Rose existiram? publicado em 26 de Dezembro de 2008, perseguido de imediato com 280 visitas pelo post Uma Rose de Verdade, foi o terceiro post a ser colocado no blog em 20 de Agosto de 2005. Uma das nossas preocupações é disponibilizar um fácil acesso ao blog, de forma rápida, eficiente, onde se encontra exactamente o que se procura. A pensar nisso mesmo, a escolha do nome do blog não foi por acaso, periódicamente, tornamos a própria página de apresentação cada vez mais simples, agradável, de fácil entendimento mesmo em outras línguas. Temos também o máximo cuidado na escolha do título usado para cada post, e é esse cuidado que se reflecte nos seguintes dados. Na pesquisa por palavras-chave, "Rose DeWitt Bukater" sai vencedora, "Titanicfans" em segundo e "Titanic" em terceiro. Para tal, os acessos a internet são feitos pelo Explorer e Firefox, o sistema operativo Windows é o favorito, o motor de pesquisa vencedor é o Google com um total de 6451 acessos, liderado pelo Google.br numa esmagadora maioria, mais atrás vem o Google.pt, já o Google.com apenas perde o terceiro lugar para o Yahoo Answers o que acaba por ser uma excelente notícia, pois demonstra que os nossos leitores confiam no TitanicFans e o aconselham como referência onde se encontram as respostas adequadas ao tema Titanic, e isso verifica-se na liderança do Yahoo Answers nos URL's de Referência. O Brasil é o nosso maior visitante, Portugal em segundo, os Estados Unidos da América logo em seguida. Ao longo de 5 anos já tivemos visitas de todos os continentes do Mundo! Para todos o nosso muito obrigado! E a melhor forma de agradecer seria concretizar o pedido de muitos. Lançámos links directos para as 29 cenas excluídas, final alternativo, animação do naugfrágio apresentada a velha Rose, 3 trailers exclusivos que se encontram no DVD especial de 2005 do filme Titanic de James Cameron, e ainda a reposição online de 36 cenas excluídas do filme incluídas nos 3 cd-rom com tratamento sonoro do TitanicFans, e que não surgiram no DVD especial. Cliquem nos links abaixo para assistir!

terça-feira, setembro 28, 2010

GLORIA STUART MORRE AOS 100 ANOS
Gloria Stuart, a actriz que interpretou Rose DeWitt Bukater, no filme «Titanic» morreu no domingo em Los Angeles, aos 100 anos. A actriz, a única pessoa nascida na altura do acidente, não resistiu a um cancro pulmonar, após cinco anos de luta, disse o neto. À semelhança do que aconteceu na ficção, Gloria Stuart morreu em casa enquanto dormia. A actriz mais velha a ser nomeada para um Óscar pelo seu desempenho no papel de Rose iniciou a sua carreira em 1932 no filme «Street of Women». Mas foi entre 1970 e 1980 que realizou mais trabalhos, sobretudo em televisão, até ficar internacionalmente conhecida depois do realizador canadiano James Cameron a ter seleccionado para dar vida a Rose. Além de actriz, Gloria foi co-fundadora do Sindicato de Actores dos EUA.

segunda-feira, setembro 27, 2010

TITANIC AFUNDA POR ERRO DE MANOBRA
Segundo a Reuters Life! O Titanic colidiu com um iceberg em 1912 por causa de um erro básico de manobra e só afundou tão rapidamente porque um executivo convenceu o capitão a continuar navegando, disse uma escritora em entrevista publicada nesta quarta-feira. Louise Patten, que é neta de Charles Lightoller, segundo-oficial do Titanic, disse que a verdade sobre o quase centenário naufrágio ficou oculta para preservar a reputação de Lightoller, que depois se tornaria um herói de guerra. Lightoller foi o mais graduado tripulante a sobreviver ao desastre. Segundo sua neta, ele acobertou o erro em dois inquéritos, nos EUA e na Europa, porque isso poderia levar os donos do navio à falência, deixando colegas seus desempregados. "Eles poderiam ter facilmente evitado o iceberg se não fosse pelo erro", disse Patten ao diário Daily Telegraph. "Em vez de manobrar o Titanic em segurança em volta do iceberg, pela esquerda, assim que ele foi visto à frente, o piloto, Robert Hitchins, entrou em pânico e virou para o lado errado." Patten fez as revelações por causa da publicação de seu novo romance, "Good as Gold" ("Bom como ouro"), que trata dessa versão. Ela disse que, por causa da então recente conversão dos navios, de vela para motores a vapor, havia dois sistemas diferentes de pilotagem. Basicamente, num dos sistemas era preciso girar o timão para um lado; no outro sistema, para o lado oposto. Depois que o erro foi cometido, segundo Patten, "eles tiveram só quatro minutos para mudar de rumo. Quando (o primeiro-oficial William) Murdoch notou o erro de Hitchins e eles tentaram retificá-lo, era tarde demais." O avô da escritora não estava de plantão na hora da colisão, mas esteve presente na reunião final dos oficiais antes do naufrágio completo. Ali, ele ouviu não só sobre o erro, mas também o fato de que J. Bruce Ismay, presidente da empresa White Star Line, dona do navio, convenceu o capitão a continuar navegando, o que acelerou o afundamento em várias horas. "Se o Titanic tivesse ficado parado, teria sobrevivido pelo menos até que o barco de resgate chegasse, e ninguém teria morrido", disse Patten. (Reportagem de Mike Collett-White)

domingo, setembro 19, 2010

BACK TO TITANIC FANFICTION V
Em Novembro de 2005 começava uma secção no TitanicFans onde se mostravam alguns pontos interessantes entre a ficção de James Cameron e a realidade. O então director não se poupou a esforços para tentar se aproximar com a realidade, desde os pontos históricos aos mais infimos detalhes. Todos conhecemos a réplica pormenorizada do cenário do navio que reproduziu 90% do navio real, desde o exterior ao seu interior. As próprias personagens foram escolhidas ao pormenor.
Retomando essa iniciativa, ao longo das próximas semanas serão apresentadas mais personagens que se misturam com a realidade de homens e mulheres que realmente estiveram a bordo.
A começar com o Mestre-de-Armas, Joseph Henry Bailey, com 47 anos de idade, o Titanic era o seu primeiro navio de passageiros, sobreviveu ao comando do bote 16, de acordo com o inquérito realizado nos Estados Unidos.
Ernest Archer: Descemos o bote, e o meu companheiro saltou para cortar as duas cordas, e libertou o barco, e preparamos para nos afastar.
Senador Bourne: Tinham cerca de 50 passageiros no barco e apenas você e o seu companheiro foram enviados para tomar conta deles?
Ernest Archer: Sim, senhor, o mestre-de-armas veio depois de nós. Ele era o timoneiro.
Senador Bourne: Ele desceu numa das cordas?
Ernest Archer: Sim, senhor.
Senador Bourne: Ele foi mandado por um oficial?
Ernest Archer: Eu presumo que ele foi enviado por um oficial.
Senador Bourne: Para ajudar a preencher a falta de tripulantes?
Ernest Archer: Ele disse que foi enviado para ser timoneiro do barco.
Senador Bourne: E ele assumiu o comando?
Ernest Archer: Ele assumiu o comando.
(E.U. Inquérito do Senado)
No filme Titanic ele é visto a prender Jack Dawson, primeiro pela suposta tentativa de violação e segunda pela acusação de roubo, sai definitivamente do filme quando um marinheiro o chama para dar apoio ao Comissário de Bordo, já que uma multidão de passageiros queriam os seus valores de volta. Bailey faleceu em 1943.
Aqui deixamos outras semelhanças já publicadas e que podem ser revistas clicando no link abaixo:

domingo, setembro 12, 2010

PLÁSTICO NO TITANIC
Quando o oceanógrafo David Gallo saiu no seu submarino, pairando sobre o local de descanso do Titanic, ele avistou a evidência de um tipo diferente de tragédia - um saco de plástico solitário na água. "Eu andei do lado de fora, no deck para apreciar um mar calmo, azul e lá estava ele", disse Gallo, do Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI), em Massachusetts. "Foi totalmente inesperado e teve um profundo impacto sobre todos nós no navio." O WHOI está actualmente a realizar um estudo abrangente, co-liderado por Gallo, do site Titanic, juntamente com a empresa que detém os direitos sobre a carcaça do navio. O saco de plástico é outro exemplo de como o lixo do homem está à espreita nos oceanos e até mesmo perto de locais históricos inestimáveis , como o local do naufrágio do Titanic, a 370 milhas (600Km) a sudeste de Newfoundland, no Canadá. "Nós olhamos para Titanic como o maior desastre no mar, o Titanic era um único evento trágico. O que estamos a fazer com o mar diáriamente é uma das grandes tragédias incalculáveis", disse Gallo ao Our Amazing Planet. Navios de reboque e navios de pesca já encontraram nas suas redes, pedaços de plástico enormes flutuando ao longo de centenas de milhas no Atlântico Norte durante os últimos 22 anos. Do outro lado do mundo, no meio do Oceano Pacífico, fica a "Great Pacific Garbage Patch", uma área de centenas de quilometros de mar aberto todo cheio de pedaços e detritos flutuantes à base de plástico. Expedições marítimas em torno da Antártica em 2008, encontraram pedaços de plástico a flutuar nas águas. O plástico que acaba nestes depósitos flutuantes vem de muitas fontes: os navios no mar, poluição das cidades costeiras e depósitos de lixo em terra firme. O saco de plástico flutuando perto do Titanic provavelmente teve a sua origem vindo da Corrente do Golfo, a corrente de água quente que flui para o norte ao longo da Costa Leste dos Estados Unidos, disse Gallo. Poderia ter começado o seu percurso em qualquer lugar da costa leste dos Estados Unidos ou fora dele. Aves marinhas são conhecidas por engolir pequenas peças de plástico, porque se parecem com ovas de peixe, de acordo com a Agência de Protecção Ambiental, e tartarugas marinhas, por vezes, engolem sacos de plástico transparentes que se assemelham a anémonas. Ao longo do tempo, porém, a água do mar destrói o plástico em partículas microscópicas, que agem como esponjas de poluentes, tais como bifenilas policloradas, ou PCBs. Todos os animais mais pequenos do oceano, como vermes, acabam por engolir as partículas de plástico e acabam por passá-los para a cadeia alimentar, uma vez que são comidos por animais maiores e assim por diante. O plástico acumula-se apenas dentro dos seus corpos. Próximo da Antártica, outra preocupação é que esses pedaços de plástico poderiam abrigar micróbios ou outras formas de vida que não é natural do continente austral e dos seus arredores. Esses hospedeiros poderão estabelecer-se no continente ou nas ilhas em torno dele e tornarem-se espécies potencialmente invasoras, expulsando as outras espécies naturais. "Estamos aos poucos transformando os oceanos numa sopa química e os plásticos são uma grande parte disso", disse Gallo. "Na verdade é quase como se estivéssemos em guerra contra a vida no mar - e se nós matamos o mar, nós nos matamos a nós mesmos. É muito simples."

sábado, setembro 04, 2010

TITANIC IMAGENS INÉDITAS

Imagens inéditas do estado actual do Titanic, retiradas no decorrer desta semana, pela mais recente expedição ao navio que o pretende relançar em 3D, mostram o avançado estado de deteoração do que foi em tempos o "Palácio Flutuante".

domingo, agosto 29, 2010

TITANIC VIRTUAL EM 3D
Com instrumentação acústica sofisticada e um programa de reconversão de sinais, cientistas vão delinear imagem do casco afundado. Os mergulhos começaram há dois dias e vão continuar em regime intensivo durante o próximo mês. O objectivo é captar todas as imagens e todos os detalhes, até aos recantos mais escondidos, do navio afundado mais famoso de todos os tempos: o Titanic. Desde 1912, o Titanic repousa no fundo do oceano, a 3820 metros de profundidade, ao largo da Terra Nova, Canadá. A ideia é fazer uma reconstituição virtual em 3D do destroço do antigo paquete de luxo. A equipa de arqueólogos, oceanógrafos e operadores de submarino e do ROV (veículo submarino autónomo) que participam na expedição promovida pela sociedade RMS Titanic, que detém os direitos de exploração do destroço afundado, partiu da Terra Nova, a bordo do navio Jean Charcot, na segunda-feira à noite e chegou ao local onde se encontra o navio afundado na quarta-feira. Nesse mesmo dia, toda a tripulação prestou homenagem às 1500 vítimas do naufrágio ocorrido há quase 98 anos, lançando em silêncio uma coroa de flores à água. Só depois disso se iniciaram os trabalhos que vão prolongar-se agora por mais um mês naquela zona. Na quinta-feira, após uma série de testes e preparativos, começaram finalmente os mergulhos para a recolha das imagens no fundo do mar. Primeiro a equipa instalou dois transponders no local, para a emissão e recepção dos sinais com a informação recolhida pela aparelhagem electrónica e de sonar que vai ser utilizada durante toda a missão. Ainda na madrugada de quinta-feira foi realizado o primeiro mergulho com o submarino Mary Ann, que durante uma hora e 40 minutos se deslocou até ao fundo do mar, junto do casco afundado, para determinar com exactidão o espaço onde ele se encontra depositado. Na verdade, e apesar de todas as expedições que já se realizaram ao local para encontrar e para filmar os restos do Titanic, o espaço exacto que ele ocupa lá em baixo ainda não está determinado com exactidão. Com a ajuda do ROV, essa posição vai ser definida agora. O submarino Mary Ann está equipado com instrumentação que ajudará a produzir uma cartografia de duas dimensões do casco do navio afundado. O ROV está por seu turno apetrechado com um sonar poderoso e sofisticado que vai colocar cerca de 20 dispositivos acústicos na proa do Titanic. A leitura desses sinais e a utilização de um equipamento apropriado conseguirão posteriormente criar uma imagem tridimensional do navio, o que poderá ser seguido no site da expedição em www.expeditiontitanic.com.

sábado, agosto 21, 2010

MORRE SOBRINHO DE MURDOCH
O homem que fez campanha para limpar o nome do seu tio, que foi retratado de modo errado como um covarde em 1997 no filme Titanic de James Cameron, morreu. Scott Murdoch, tinha mais de 90 anos, viveu no sudoeste da Escócia, em Kippford, e ficou indignado quando o seu tio William Murdoch - primeiro oficial do Titanic - foi mostrado a disparar tiros contra os passageiros antes de pôr fim à sua própria vida. Scott foi bem-sucedido na sua luta pois acabou por conseguir um pedido de desculpas dos produtores do filme e directamente de Scott Neeson, o vice-presidente da 20th Century Fox, por manchar a reputação do seu tio. Neeson visitou a cidade de Dalbeattie em 1998 onde William Murdoch nasceu e cresceu e onde é considerado um herói. Neeson insistiu que o filme "nunca teve a intenção de retratá-lo como um covarde" e disse que qualquer outra intenção foi "acidental". Na época Scott Murdoch disse estar razoavelmente satisfeito com o pedido de desculpas, mas não conseguiu esquecer os danos causados à reputação do tio. Historiadores dizem que o tio de Scott avistou o icebergue práticamente ao mesmo tempo que os vigias e deu as ordens que pensou serem as mais adequadas naquela situação para evitar o embate, fez o possível para salvar os passageiros, orientando-os para os barcos salva-vidas e lançando ao mar cadeiras para os passageiros se agarrarem e até mesmo deu o seu colete salva-vidas a um passageiro. Um monumento ao primeiro-oficial, que afundou com o Titanic, em 1912, encontra-se em exibição num salão em Dalbeattie.

quarta-feira, agosto 18, 2010

TITANICFANS 5 ANOS
Bem-vindos a bordo do "Ship of Dreams". Era com esta frase que começava o blog junto com a imagem acima entitulada "Maiden Voyage", foi há cinco anos atrás nesta mesma hora. Sem saber o futuro do blog, embarcamos nesta viagem de aventura, que até hoje tem continuado graças ao apoio e carinho de todos os que visitam e deixam os seus contributos. Obrigado a todos.

domingo, agosto 15, 2010

ACIDENTE OU SABOTAGEM? PARTE III
Existe uma outra versão para a causa do afundamento do Titanic. Em 1912, a Marinha alemã já contava com vários submarinos na sua frota e um deles colocou o Titanic na mira. Quando este navio estava prestes a bater no iceberg, o submarino alemão teria disparado um torpedo certeiro. Os defensores dessa versão acreditam que um bloco de gelo não seria capaz de danificar o casco do Titanic a ponto de afundá-lo. Eles também alegam que seriam deste submarino alemão as luzes avistadas pelos sobreviventes, antes do resgate feito pelo navio Carpathia, quatro horas depois do "acidente". Esta tese é reforçada pelos vários navios afundados (comprovadamente) pelos submarinos alemães, durante a Primeira Guerra Mundial: o Lusitania, próximo da Inglaterra, em 7 de Maio de 1915, o Californian, perto da Grécia, em Novembro de 1915, e o Carpathia, na costa irlandesa, em 17 de Julho de 1918, e uma dúvida permanece quanto ao Britannic, o irmão gémeo do Titanic que se acredita ter sido afundado por um torpedo alemão e não por uma mina acidental em 21 de Novembro de 1916 ao largo do Canal de Kea no mar Egeu. A Primeira Guerra Mundial terminou em Novembro de 1918.

domingo, agosto 08, 2010

ACIDENTE OU SABOTAGEM? PARTE II
Mais uma teoria da conspiração que não poderiamos deixar de registar. Segundo o livro "Vatican Assassins", de Eric Jon Phelp, e traduzido por Mary Schultze, foram os jesuítas que planearam e afundaram o Titanic, nomeadamente uma sociedade intitulada FED.
Em 1540, o Papa Paulo III aprovou a Companhia (Sociedade) de Jesus, fundada em 1536 por um espanhol chamado Ignácio de Loyola. A partir daí esta Companhia cresceu rapidamente dentro da Igreja Católica. Os membros dessa instituição eram chamados até hoje em dia, de Jesuítas, daí o nome alternativo de Ordem dos Jesuítas (OJ). Eles tornaram-se os confessores de todas as famílias governantes da Europa. O objectivo específico da OJ foi, e continua sendo, combater toda dissidência da igreja do Vaticano. Naquela ocasião, visava combater a revolução protestante iniciada por Lutero. A Ordem dos Jesuítas transformou-se num exército de espiões e assassinos, contituindo-se no braço militar secreto do Vaticano. Diz-se que esta Ordem está por de trás de quase todos os eventos traumáticos do mundo por mais de 400 anos. O chefe dos jesuítas é chamado de General Jesuíta, também conhecido como o Papa Negro, que manipula o Papa do Vaticano, também conhecido como Papa Branco. O Papa Negro atual, pelo menos no ano 2000, é um holandês chamado Conde Hans von Kolvenbach e mora, obviamente, ao lado do Vaticano, no quartel general dos jesuítas, chamado de Igreja de Jesus, que também é o quartel general dos Cavaleiros de Malta.
Os Jesuítas dedicam-se a aumentar o Catolicismo e o poder do Papa em todos os países do mundo, combatendo todas as outras linhas políticas e religiosas. Em 1773, o Papa Ganganelli ou Clemente XIV extinguiu a Ordem e, como resultado, foi assassinado por envenenamento. Em 1814, o Papa Pio VII, respondendo a pressões, restaurou novamente essa Sociedade, que tem conquistado poder constantemente até os nossos dias.
Desde o começo dos anos de 1830, os Estados Unidos não possuíam um banco central. Os Jesuítas desejavam desesperadamente um outro banco central nos EUA para que eles pudessem dispor de um reservatório sem limite de onde sacar dinheiro para as suas inúmeras guerras e outros esquemas hediondos espalhados por todo o mundo. No entanto, existiam nos EUA muitas pessoas poderosas que não aceitavam a criação deste banco central controlado por um quartel particular fora das mãos do governo norte-americano. Eles precisavam ser eliminados.
Os jesuítas ordenaram que J.P. Morgan iniciasse a construção do navio Titanic, em 1909, num estaleiro de Belfast, a capital da Irlanda do Norte. Belfast era protestante e odiada pelos jesuítas. Este navio “inafundável” iria servir como navio túmulo para aqueles que se opusessem aos planos dos jesuítas de constituir o Sistema da Reserva Federal, comumente conhecido pela sigla FED. Em 1910, Edward Mandell House (1858-1938), o confidente do presidente Woodrow Wilson e conhecido como “Coronel” House, reuniu-se com seis homens na Ilha de Jekyll, próximo da costa da Geórgia, para planear a fundação do banco central, que eles resolveram chamar de Federal Reserve Bank, na realidade, um quartel de 12 bancos privados. Esses homens eram Nelson Aldrich e Frank Valderclip, que representavam o império financeiro dos Rockefellers; Henry Davison, Charles Norton e Benjamin Strong, que representavam o grupo J.P. Morgan; e Paul Moritz Warburg, representando a dinastia bancária dos Rothschilds da Europa. Os Rothschilds eram os agentes bancários dos jesuítas do papado, tendo “as chaves da riqueza da Igreja Católica Romana”.
Essas três famílias, os Rothschild, os Morgans e os Rockefellers, são controladas pela Ordem dos Jesuítas. Existia um certo número de homens muito poderosos que não eram a favor do Federal Reserve System (FED). Entre eles estavam Benjamin Guggenheim, Isador Strauss, Chefe das Lojas de Departamento Macy’s, e John Jacob Astor. Estes homens eram certamente os homens mais ricos do mundo e atrapalhavam o plano dos jesuítas. ‘Esses três homens foram persuadidos e encorajados a embarcar no palácio flutuante (Titanic)’. Não porque apenas fossem inimigos dos jesuítas, contra o FED, mas porque eles iriam usar a sua riqueza e influência para se opor à Primeira Guerra Mundial, já planeada. Eles tinham que ser destruídos de uma forma tão absurda que ninguém iria suspeitar que eles teriam sido assassinados, e ninguém iria suspeitar dos jesuítas. O Titanic seria o veículo da destruição deles. A fim de blindar ainda mais o papado e os jesuítas de suspeitas, muitos imigrantes católicos romanos da Irlanda, França e Itália estavam a bordo. Eles eram pessoas dispensáveis. Protestantes de Belfast que desejavam imigrar para os EUA também foram convidados para embarcar.
Para incentivar o embarque dos milionários visados, J.P. Morgan, um dos sócios do Titanic, divulgou que estaria a bordo do mesmo, mas às vésperas da viagem desistiu de embarcar no Titanic (que homem de sorte...) e também suspendeu o envio de obras de arte nos porões do Titanic (que homem de sorte...).
O capitão do Titanic era Edward Smith, um jesuíta “tempore coadjutor” que trabalhava para J.P. Morgan. Isto significa que ele não era um padre, mas era um jesuíta sem batina. Os jesuítas não são necessariamente padres. Aqueles que não são padres servem à Ordem através da sua profissão. Qualquer pessoa podia ser um jesuíta, e as suas identidades não seriam conhecidas. Edward Smith servia à Ordem dos Jesuítas na sua profissão de capitão do mar.
Quando o Titanic partiu do sul da Inglaterra, no dia 10 de Abril de 1912, a bordo estava Francis Browne, o mais poderoso jesuíta provincial de toda a Irlanda e o “Mestre Jesuíta de Edward Smith”. Ele respondia diretamente para o General da Ordem dos Jesuítas, em Roma. Veja a traição subtil dos jesuítas: o Padre Provincial Francis Browne embarca no Titanic, fotografa as suas vítimas, certamente relembra o capitão Smith sobre o seu juramento como um jesuíta e, no dia seguinte, quando o Titanic pára na costa de Queenstown, na Irlanda, embarcam mais imigrantes irlandeses e desembarca o afortunado Padre Browne...
Edward Smith, o capitão do Titanic, tinha viajado pelas águas do Atlântico Norte por 26 anos e era o mestre mais experiente do mundo das rotas do Atlântico Norte. Ele já tinha trabalhado para o jesuíta J.P. Morgan por muitos anos. O capitão Smith acreditava que o "General Jesuíta" era Deus. Este general jesuíta disse a Francis Browne o que deveria acontecer; Browne instrui Smith sobre o que fazer nas águas do Atlântico Norte. 'Edward Smith recebeu ordens de afundar o Titanic e isto foi exatamente o que ele fez.' De acordo com a filosofia secreta dos jesuítas: O inocente pode ser massacrado por um bem maior, pois os fins justificam os meios.
O capitão Smith sempre soube que o seu navio tinha sido construído para sepultar os inimigos dos jesuítas. O propósito do navio foi sempre servir de "navio da morte" e afundar na sua primeira viagem. O capitão Smith também sabia exatamente onde os icebergs estavam. Sob ordens secretas, ele levou o Titanic na sua velocidade máxima, de 22 nós, numa noite escura sem Lua com apenas um par de binóculos disponível, através de um gigantesco campo de gelo de 80 milhas quadradas de área! Ele fez isso apesar de receber pelo menos oito telegramas, prevenindo para ser mais cauteloso, já que o navio estava seguindo muito rápido.
Precisava Edward Smith desses conselhos? Claro que não, pois ele conhecia estas águas há 26 anos. Ele sabia que os icebergs existiam e onde estavam naquela área. Mas nem 8 avisos conseguiram fazer este homem parar, já que ele estava sob o juramento jesuíta, e sob ordens de destruir o Titanic.
De propósito, não existiam barcos salva-vidas em número suficiente. Essa foi a justificativa para dar prioridade às mulheres e crianças no embarque desses barcos, para poder garantir o assassinato dos milionários visados, sem causar suspeitas. Além disso, muitos desses barcos, apenas com mulheres e crianças, não estavam completamente cheios após o afundamento do Titanic. A esposa de John Jacob Astor embarcou no barco salva-vidas e salvou-se, mas o seu marido morreu nas águas geladas do Atlântico Norte. Para evitar que navios que estivessem por perto viessem em socorro, as luzes (rojões) de pedido de socorro embarcadas eram brancas, quando elas deveriam ser vermelhas. Luzes brancas, para os navios próximos, eram sinalizações de que todos estavam tendo uma alegre festa a bordo. Esses exemplos de deficiência não ocorreram por causa de uma arrogância da tripulação, acreditando que o Titanic era inafundável. Essas deficiências foram muito bem planeadas.
Quando chegou a hora de dar a ordem de embarcar e baixar os barcos salva-vidas, o capitão Smith ficou vacilante e um dos seus auxiliares teve que se aproximar dele para conseguir que a ordem fosse dada. A habilidade lendária de liderança de Smith parece que tinha sumido. Ele estava curiosamente indeciso e incomumente cauteloso naquela noite fatal, não correspondendo a um capitão com 26 anos de experiência. Certamente, era um homem em guerra com a sua mente, se ele deveria cumprir o seu dever como capitão do mar ou obedecer ao seu mestre que disse para ele afundar o navio. Todos esses detalhes podem ser observados no recente filme do mesmo nome Titanic. Certamente, o capitão Smith também contava com a colaboração de outros jesuítas disfarçados no meio da tripulação, que podem ter morrido no naufrágio para corresponder à "queima de arquivo".
O navio inafundável, o palácio flutuante, foi constuído para ser o túmulo para os milionários que se opunham à criação do banco central norte-americano na mão particular dos jesuítas. Curiosamente no dia 14 de Abril, a mesma data do assassinato do presidente Abraham Lincoln, o Titanic bate num iceberg e afunda no dia 15 de Abril, o mesmo dia da morte de Abraham Lincoln. Portanto, em Abril de 1912 toda oposição relevante à criação do FED foi eliminada. Em Dezembro de 1913, bem próximo do Natal, com o congresso praticamente em recessão, o Sistema da Reserva Federal foi aprovado pelo congresso dos EUA. Oito meses depois, já em 1914, os jesuítas já tinham acumulado fundos suficientes, através do FED, para começar a Primeira Guerra Mundial.
Certamente, outras pessoas importantes que se opunham à criação do quartel particular chamado FED foram ameaçadas e eliminadas. Não se tem muitas informações a esse respeito, obviamente. Mas um caso chama a atenção: o senador Charles A. Lindbergh fez violentos discursos contra o FED, em 1913; o seu filho, de mesmo nome e famoso pelas suas proezas como aviador, teve o filho sequestrado e morto, apesar de ter sido pago o resgate solicitado...