PESQUISAR NO TITANICFANS

A carregar...

WHITE STAR LINE

WHITE STAR LINE
A White Star Line surgiu, em Liverpool, fundada por Henry Threlfall Wilson e seu sócio, John Pilkington, em 1845. Iniciara as suas actividades alugando o bergantim, navio de vela, geralmente com armação de brigue, 2 mastros, sendo o maior deles inclinado para trás e que era armado com peças de fogo. "Elizabeth". O seu primeiro navio, o IOWA, foi comprado em 1849. Em 1857, Pilkington foi substituído por um novo sócio, James Chambers; seis anos depois, a companhia adquiriu seu primeiro navio a vapor, o Royal Standard, com 2.033 toneladas. Num estranho presságio, voltando de sua viagem inaugural e navegando a vela rumo a Melbourne, o barco colidiu com um grande iceberg, em 4 de abril de 1864. A despeito dos prejuízos maiores sofridos pelo cordame e os mastros, inclusive os de sustentação das velas de popa, o casco ficou praticamente ileso e a maquinaria a vapor continuou a funcionar com perfeição - o navio ancorou no Rio de Janeiro para reparos. Por volta de 1869, seis novos navios já estavam encomendados pela White Star Line. Os dois primeiros navios foram batizados de Oceanic e Atlantic - dando início à tradição de nomes terminados em "ic". Em muitos aspectos, o Oceanic podia ser visto como o primeiro navio de linha moderno e passou a ser amplamente imitado. Em 1873 houve a perda do Atlantic, após colidir com uma rocha no litoral da Nova Escócia, perto de Halifax. Envolto por uma tempestade que o obrigou a consumir quase todo o combustível existente a bordo. Foi o pior acidente marítimo até então, e nele morreram 546 pessoas, entre homens, mulheres e crianças. A comissão de inquérito instaurada posteriormente chegou a conclusão de que os estoques de carvão eram insuficientes para completar a viagem. A White Star Line contestou veementemente tal veredicto. Será que a White Star Line já estava condenada desde cedo?
White Star Line travou sessenta anos de luta contra a Cunard Line pelo título de principal linha de transatlânticos britânica. O lucro nunca dominou, porém chegou perto em igualdade com o Cunard. A White Star entrou no serviço de transatlânticos muito tarde. Depois do sucesso dos navios da Cunard, o Lusitania e Mauretania, J. Bruce Ismay, o filho do fundador da White Star Line, e o maior acionista, o financista americano J. P Morgan decidiram marcar o futuro da linha com a construção de um Trio de navios jamais imaginados pelo homem.
O monstruoso trio foi construídos nos pátios da Harland & Wolff em Belfast. O primeiro a ser batizado, o Olympic, fez sua viagem inicial em direção a Nova York, após muitas comemorações, em 1911. O veterano Capitão E. J. Smith foi escolhido para dirigir o navio. O Olympic não foi suficientemente rápido para trazer o "Blue Ribband" do navio da Cunard, o Mauretania. Porém era maior e mais luxuoso. Ela também parecia extremamente seguro. O Olympic foi construído com um sistema de 16 compartimentos a prova d'água. Em 1909, o menor navio da linha, o Republic, teve que sobreviver por muitos horas depois uma séria colisão no mar. O novo transatlântico parecia muito seguro como também inafundável.
O segundo navio da classe foi o Titanic. Ele foi perdido numa colisão com um iceberg durante sua viagem inicial em Abril de 1912. Mais 1.500 pessoas, ricas e pobres, passageiros e tripulantes, morreram. O Capitão Smith, fazia sua última viagem antes de se aposentar, ele afundou juntamente com o navio. J. Bruce Ismay que estava a bordo se salvou.
Depois da perda do Titanic, o Olympic foi reformado com um fundo duplo e mais barcos salva-vidas. Além disso foram incorporadas várias mudanças nos projetos do navio final do Trio, o Britannic. A Primeira Guerra Mundial estourou antes do novo navio entrar em serviço. O Britannic foi confiscado pelo Almirantado britânico, e tornou-se um Navio Hospital. Em 1915, ele foi afundado perto da costa da Grécia, por uma mina ou torpedo, de um submarino alemão. Por sorte, somente estavam a bordo a tripulação e pessoal médico, e a maioria escapou pois estavam a poucas milhas da praia.
A White Star Line cambaleou com a trágica perda de dois transatlânticos restando apenas o primeiro dos três navios. Depois da guerra, ela conseguiu dois navios alemães inacabados que foram seqüestrados pelos Aliados. O maior desses navios fez sua última viagem de Hamburg a Amerika's, antes da guerra. Ele ingressou na White Star Line com o nome de Majestic. O outro navio menor chamado de Hindenberg, tornou-se o Homeric. Ambos entraram em serviço em 1922.
Durante os prósperos anos de 1920, a White Star ordenou a construção de um casal de navios motorizados para fazer companhia ao único sobrevivente do Trio, o Olympic. O primeiro, chamou-se novamente Britannic, e entrou em serviço em 1930. Seguido dois anos mais tarde pelo Georgic. Mas a White Star não aguentou com a construção do casal e os difíceis anos de 1930. Em 1934 formou-se a Cunard-White Star Lines colocando fim a luta interminável que havia entre as duas linhas.
Depois da união das duas linhas, o Olympic, o Majestic e o Homeric foram para a desmonta. O Britannic e Georgic após servirem durante a Segunda Guerra Mundial retornaram a prestar serviços à linha. O Britannic navegou até 1960, seu irmão teve que ser retirado em 1954. O nome White Star Line foi sendo esquecido vagarosamente até que nos anos 1940 a Cunard, guardou a bandeira da White Star Line no fundo de um baú. A Cunard Line está em serviço até os dias de hoje.

9 comentários:

Eder Carneiro disse...

pena que teve esse fim o titanic queria voltar 100 anos atrás para tentar empedir isso ....

Mário disse...

Eder, é comovente a tua vontade e de loucar, mas pensa nas vidas que foram salvas anos e anos até hoje devido aos ajustes aplicados depois do erro cometido com o Titanic.

Arthur Marton disse...

Se o Titanic não tivesse esse final ele não seria tão conhecido como é hoje, seria mais um navio que serviria para transportar pessoas que depois de um tempo seria afundado no oceano como tantos outros!

Mário disse...

exatamente Arthur, ou então desmontado como o Olympic.

AIR SUPPLY EVOLUTION STAR disse...

Eu tb queria estar lá e tentar impedir. Realmente, se não fosse esse ocorrido, ele não seria tão famoso até hoje, mas sua "fama" está no número de vidas perdidas, entre estas, diversas personali
dades da época, e o fato dele ter sido considerado o mais seguro de todos, que nem Deus poderia afundá-lo. Essa frase também tornou-se um dos fatores que contribuiu para o naufrágio. Não podemos contra as forças de Deus e da natureza, e a operadora ignorou
tanto a esse fatr quanto aos ou
tros. Vê-se que nenhum outro navio teve tanta fama e reconhecimento quanto o Titanic!

Anónimo disse...

é pena o titanic ter afundado eu queria voltar porque gostei sempre do titanic e se pudesse construilo,
construia eu chamava titanic 2 white star line e reforcava mais os cascos adeus que pena ter acabado assim o titanic.

Mário disse...

é pena sim =(

Paulo Guitar disse...

Essas pobre almas que sofreram, foram lá mais de 1.500 vitimas, tudo fruto da arrogância de não colocarem mais botes pra suprir a capacidade! Uma pena mas aconteceu.

Mário disse...

E como em todas as tragédias, se aprende algo, e as melhorias na segurança foram muitas é pena ter que ser assim.