sábado, março 31, 2012

MUSEU DO TITANIC INAUGURADO HOJE
É inaugurado hoje em Belfast um museu dedicado ao Titanic, para marcar o centenário da primeira viagem e subsequente naufrágio do navio, o "Titanic Belfast". Belfast reivindica assim um lugar na história do navio que viu nascer, e os organizadores do museu, que custou o equivalente a R$ 285 milhões, dizem que os visitantes poderão reviver toda a história do Titanic, do seu nascimento à trágica viagem inaugural e à descoberta do que sobrou do navio no fundo do mar. 
O projeto, que lidera o maior movimento de regeneração urbana na Europa,  pretende ter um efeito semelhante ao que o museu Guggenheim teve em Bilbao  (País Basco) e marcar a paisagem da cidade como a Torre Eiffel em Paris  (França). Será a maior exibição ligada ao Titanic no mundo todo.
O centro cultural, um prédio de seis andares e arquitetura arrojada inspirada no desenho do navio, levou três anos para ser erguido, o mesmo tempo necessário para a construção do navio, foi construído simbolicamente nas docas da capital da Irlanda do Norte, a menos de 100 metros do local onde o Titanic foi lançado à água no princípio do século XX, e ao lado do museu encontra-se o Nomadic, navio que transportou os passageiros de Cherbourg até ao Titanic. 
No interior, nove galerias foram criadas para proporcionar aos visitantes  experiências semelhantes às de uma pessoa que tivesse vivido em Belfast  no princípio dos anos 1900, quando registava um grande boom económico, algumas com mostras interativas.
De fora, é dominado por quatro paredes de 27,5 metros de altura e anguladas  que lembram proas de navios e até na entrada é usada uma chapa de metal  de 18 metros de altura, tal como as que foram usadas na construção do Titanic. 
Com a ajuda de filmes e sons podem-se visitar os estaleiros navais Harland  and Wolff, onde os maiores barcos da época foram construídos, e até se pode  assistir de perto ao lançamento do Titanic.  
É mostrado depois o luxuoso interior do barco e apresentada a história  de alguns dos passageiros e tripulação.  
Mas o momento mais impressionante é a recriação dramática do naufrágio,  quando as luzes diminuem, a temperatura desce e se escutam testemunhos dos  sobreviventes.  
Por fim, há uma viagem ao fundo do Atlântico para ver de perto os destroços. 
O prédio também terá exposições temporárias e centros de educação. 
No espaço foi feita uma réplica das escadaria e do salão de jantar do  navio com capacidade para mil lugares, que podem ser alugados para eventos e até casamentos.  
Foram vendidos mais de 80 mil bilhetes a pessoas de 20 países, sendo  esperados perto de meio milhão de visitantes.  

sábado, março 24, 2012

 NO CORAÇÃO DO OCEANO
Celebrando-se os 100 anos do naufrágio, este é o mais recente livro lançado sobre a maior tragédia marítima de todos os tempos. A inspiração do autor Cleiton Basso para o escrever veio da sua ascendência familiar, quando o seu bisavô com apenas sete anos partiu com o seu pai para o Brasil tal como muitos emigrantes partindo para uma vida melhor, e viu-se orfão em plena viagem, vendo o seu pai já sem vida sendo sepultado no Oceano. O livro que faz uma recolha fiel e excelente dos relatos de sobreviventes depois da tragédia do Titanic e possui fotos originais, pode ser adquirido online pelo site http://www.otitanic.com.br/nocoracaodooceano/ ou em livrarias. Existe também a versão audio do livro que transmite toda a emoção da tragédia desde as particularidades que faziam do Titanic um navio avançado para a sua época, aos relatos de uma viagem tranquila que antecederam a tragédia e o detalhe do naufrágio através daqueles que fizeram parte da luta pela sobrevivência na noite gelada de 14 para 15 de Abril de 1912. O drama narrado pelo próprio autor e por Dayana Mara pode ser escutado através de um excerto publicado no youtube e no próprio site para download, com cerca de 26 minutos. Sinta-se por dentro do Titanic ao lado de passageiros e tripulantes e viva uma experiência fantástica e única lendo ou escutando No Coração do Oceano.

domingo, março 18, 2012

video
 TALHERES DO TITANIC ACHADOS EM PORTUGAL
Portugal tem uma história de tradições com o mar, de marinheiros, descobridores e pescadores desde que se fez nação há quase mil anos e a sua ligação ao Titanic não provém apenas do mar, nem dos quatro passageiros portugueses que estavam a bordo. A história aqui contada já se ouve falar há muitos anos, tantos quantos o Titanic tem desde que se afundou em 1912 e é hoje contada por Ana Maria Lopes, neta de um comandante de um navio pesqueiro chamado Golfinho, da época do Titanic e actual detentora de uma herança desejada por muitos. Ílhavo é uma cidade do centro litoral de Portugal pertencente ao Distrito de Aveiro com tradição de mar e de pesca de bacalhau. 
O navio Trombetas
De Abril até Outubro partiam desta pequena cidade os barcos ou lugres em direcção à mesma rota aproximada do Titanic para a pesca do bacalhau. Um desses pesqueiros de nome "Trombetas", em finais de Maio de 1912, encontrava-se pescando próximo ao local do naufrágio. Conta Ana Maria Lopes que após a tragédia do Titanic, ao chegar à Terra Nova, os Grandes Bancos estavam pejados de despojos flutuantes do desafortunado paquete. A tripulação do navio Trombetas recolheu alguns destes destroços, entre os quais estava um armário de sala de jantar do Titanic, com talheres da “White Star Line” todos marcados com o símbolo da proprietária do navio. Ao chegar à Figueira da Foz, em Outubro, já concluída a campanha de pesca, o capitão do Trombetas, João Francisco Grilo entregou ao seu armador, Lusitânia de Pesca a dita caixa. 
Ficha do Capitão João Grilo
Contudo, talvez por receio (já que se sabia que teria havido um pesqueiro próximo ao Titanic que não prestou auxílio às vitimas e desapareceu do local), não se interessou muito pelo assunto, aconselhando-o a ficar com uma parte e a distribuir os restantes, em Ílhavo, pelos familiares e amigos mais íntimos. Foi assim que Ana Maria Lopes herdou o seu quinhão deste serviço de jantar do Titanic que terá sido entregue ao seu avô capitão do Golfinho. 
As colheres herdadas
Sendo apenas uma tradição oral, Ana Maria Lopes continuou ligada a esta história e ao Titanic desde muito pequenina, e ao visitar a exposição do Titanic em Lisboa em 2009, constatou que a história era mesmo verdade, porque os talheres de prata que guardava em casa eram idênticos aos que estavam em apresentação nas galerias da exposição e que tinham sido recolhidos do fundo do oceano. Agora que o centenário da tragédia está cada vez mais próximo, alguns pesquisadores conceituados do Titanic e televisões estrangeiras têm-se deslocado ao local para avaliar as peças que se encontram espalhadas por algumas casas de família de capitães de Ílhavo, e acredita-se cada vez mais que esta história tem tudo para ser autêntica.

quinta-feira, março 15, 2012

TITANIC 3D ADIADO NO BRASIL 
"A Fox Film adiou a reestreia em 3D de 'Titanic' nos cinemas brasileiros.
Inicialmente previsto para 5 de Abril, o lançamento agora acontece no dia 13 de Abril.
O romance de ação é a segunda maior bilheteria de todos os tempos, arrecadou no mundo inteiro mais de US$ 1,84 bilhão e levou mais 11 Oscars.
Vale lembrar que DiCaprio se recusou a divulgar o relançamento em 3D, e Winslet revelou ter vergonha de sua atuação no blocbuster.
"Há uma geração inteira que nunca viu Titanic como deve ser visto: nos cinemas. Esse novo Titanic será digitalmente remasterizado", revelou o diretor James Cameron.
'Titanic', estrelado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, foi restaurado por Cameron, responsável pela versão original, para que o espectador se sinta dentro do navio." Noticia retirada do site Cinepop.
Para Portugal tudo se mantém com a estreia em 4 de Abril e aguarda-se já a chegada dos 4 CD's especiais da trilha sonora disponíveis no mercado dia 26 de Março.

sábado, março 10, 2012

CARTA DESCONHECIDA DE CRIANÇA NO TITANIC RELATA ACIDENTE NA PARTIDA 
Uma carta escrita a bordo do Titanic por uma criança revela como o navio esteve envolvido num acidente ao partir em sua viagem inaugural.Eileen Lenox Conyngham de 11 anos, escreveu a carta apenas quatro dias antes de o navio afundar-se a 350Km a sudeste da Terra Nova, no Canadá.A jovem relata à sua ama Louisa Sterling que o Titanic "partiu as cordas" e colidiu com o Oceanic enquanto "flutuavam" em Southampton.Eileen escreveu: "O navio partiu eram cerca das 12h15, em seguida, tivemos um grande atraso, porque este navio quebrou as cordas de um outro navio, o Oceanic, enquanto flutuavamos sobre este navio de raspão, mas eles conseguiram resolver tudo depois do choque. Está tudo bastante calmo agora, ninguém passou mal até agora. Devemos chegar a Cherbourg pelas cinco, mas eu acho que não chegaremos antes seis."Menos de 100 horas mais tarde, o Titanic colidia com um icebergue e 1.495 pessoas morreriam. Mas a jovem Eileen escapou do perigo. Ela desembarcou na França junto com a sua mãe, tia e irmão mais novo, Denis, inconsciente da sua sorte enquanto esperava por uma resposta da ama à sua carta. A sua carta chegou à Irlanda no dia do naufrágio do Titanic e foi guardada pela Sra. Sterling o resto da sua vida.A jovem Eileen, a filha de Rev George Lenox Conyngham, orgulhosamente descreveu o Titanic como o maior navio do mundo, com uma piscina, um ginásio e banhos turcos. A menina estava no início de um mês de férias em França, enquanto Louisa cuidava de seu irmão Alwyn na casa de um amigo em Bray Little, Irlanda. E hoje, 100 anos depois, o Daily Mirror revela a incrível história de sua carta de 171 palavras. Ela foi enviada para Louisa Sterling, a partir de Queenstown, agora Cobh, Co Cork, onde o Titanic chegou em 11 de Abril de 1912.Após a morte de Louisa, a carta foi deixada para sua filha Patricia, que decidiu vender a missiva. Mas quis o destino que após o pagamento de £ 1,000 que ela acabasse por voltar à sua escritora de 72 anos depois de ela colocar o lápis no papel da White Star Line. Melanie Marsh, da casa National Trust em Spring Hill, donos da casa de família de Eileen e também da casa destes em Co Derry, disse: "O Washington Post escreveu um artigo sobre o assunto dizendo que a carta iria ser vendida. Eles disseram que Eileen tinham morrido no Titanic. Mas Eileen casou-se com um americano e vivia perto de Washington. Ela escreveu para o jornal explicando que ela ainda estava bem viva e que iria enviar a esposa do seu sobrinho Gerrit, para participar do leilão em Manchester e comprar a carta. Ela disse que, embora a carta pertencesse ao proprietário actual, as suas palavras ainda lhe pertenciam e ela a queria de volta. Ela comprou a carta em leilão e manteve-a numa gaveta, ainda na pasta de plástico onde a casa de leilões Phillips Auctioneers tinha-a colocado. "Eileen morreu em Outubro de 1993, tendo deixado a carta ao seu filho Anton Shaefer. Quando este morreu, em 2010, o seu testamento garantia que a carta fosse devolvida a casa de infância de sua mãe em Spring Hill, agora propriedade da National Trust.Hoje o Daily Mirror pode revelar as memórias de infância de Eileen na sua viagem no Titanic, tal como ela contou ao seu sobrinho-neto Phillip.Ela disse-lhe:... "Em 1912, a minha mãe decidiu levar o meu irmão mais velho Denis, e eu para a França para melhorar o nosso francês e estudar arquitectura. Ela reservou a passagem no Titanic. Ela sabia por experiência própria como era incapaz de navegar sem enjoar, e teve a ideia de que ao levar-nos em algo tão grande como o Titanic, não teríamos de sentir as ondas e ela estava certa, é claro. Além disso, ela acreditava que seria maravilhosa a experiência de navegar a bordo do mais belo navio do mundo. Falava-se muito sobre o navio e havia muita ansiedade em torno de sua primeira viagem. Para aquelas férias da Páscoa, os meus pais decidiram que o meu pai levaria dois filhos para a Irlanda e a minha mãe levaria os outros dois para a França. A irmã mais nova do meu pai, a tia Alice acompanhou-nos e nós embarcamos em Southampton. Ficamos absolutamente estupefactos pela beleza e tamanho deste grande navio. Ficamos surpresos com a beleza incrível e o espaço que nos rodeava. O orgulho da White Star Line era elegante, além de qualquer descrição. Por causa de seus compartimentos estanques, dizia-se que era feito para ser inafundável. O instrutor de ginástica foi muito gentil connosco e nos permitiu experimentar toda a maquinaria. Um desses dispositivos eléctricos, era a simulação de andar de camelo. Tivemos uma viagem fascinante, vendo uma maravilha e inovação atrás da outra, sem a interferência de outros passageiros. Fizemos uma corrida no navio. E em certo momento, a minha mãe, para acalmar-nos sentou-se connosco e mandou-nos escrever cartas. Decidi escrever para a Louisa.A carta veio à tona anos depois. Louisa falecera e tinha dado a carta para a sua filha, Patricia Eileen, que descobriu que uma carta escrita no Titanic seria muito valiosa. Ela foi aconselhada a levar a carta a Phillips Gallery, na Inglaterra, uns negociantes de cartas, papéis, etc, e foi o que ela acabou por fazer. De início, Phillips considerou a carta uma falsificação, mas depois de olhar o conteúdo, determinou que nós tínhamos todos estado a bordo naquele dia. Então, a carta foi vendida e eu, algum tempo depois, tive que comprá-la de volta. Foi-me dito que se você escrever uma carta para alguém, a carta pertence a quem enviamos, mas o conteúdo é seu. A minha carta não era uma jóia literária, mas foi bastante divertido e eu a queria. O cavalheiro na Phillips Gallery que me atendeu, disse: 'Sua ortografia do ginásio é muito criativa, não é?'"O examinador de papel Sean Madden, de Lurgan, Co Armagh, disse: "A carta está em excelente estado, embora tenha uma dobra aqui e ali. Felizmente foi escrita a lápis o que significa que não se desvaneceu. Esta é uma carta linda com uma história muito pessoal. Não há nenhuma razão para que não sobreviva por centenas de anos."
Segue o caminho que a carta levou:

1 Na quarta-feira, Abril 10, 1912, Eileen Lenox Conyngham, de 11 anos, escreve uma carta para a sua ama Louisa Sterling e a Sra. Byrnes em Little Bray, Irlanda. Eileen deixa o Titanic em Cherbourg para umas férias na França.2 A carta continua no Titanic segue para Queenstown, Cork.3 Fica na Irlanda e chega a Louisa Sterling.4 Louisa Sterling muda-se para a casa de Yorkshire e leva a carta com ela. Ela se casa e tem uma menina a quem ela chama de Patrícia Eileen, em honra de Eileen.5 Depois da morte de Louisa a carta fica com a sua filha Patrícia.6 Em 1983 a filha de Louisa coloca a carta em leilão na Phillip’s Fine Art Auctioneers, de Manchester. Os especialistas pensaram que a carta a leilão era uma falsificação, mas verificaram depois que Eileen estaria a bordo no momento que a escreveu.7 A notícia do leilão é publicada no Washington Times, que erroneamente dizem que a escritora da carta, Eileen morreu no naufrágio do Titanic. Eileen, então com 83 anos, lê o Washington Times, queixa-se a eles que ela está viva e que reside nos arredores de Washington.8 Eileen envia a esposa do sobrinho, Gerrit Lenox Conyngham, a Inglaterra para comprar de volta a carta no leilão. Eileen mantém a carta até a sua morte em Outubro de 1993.9 A carta é deixada para seu filho Anton Shaefer que a mantém para o resto de sua vida e deixa tudo à casa de infância de Eileen, em Spring Hill, agora propriedade da National Trust.10 A National Trust solicita ao seu director Hilary McGrady na Irlanda do Norte que através de um homem de sua confiança de nome Swindon envie até à casa de Spring Hill, a carta de 99 anos de idade, ainda em bom estado.

domingo, março 04, 2012


video
  JULIAN FELLOWES PREPARA-SE PARA LANÇAR SÉRIE TITANIC 
O criador da famosa série Downton Abbey, Julian Fellowes disse que preparou cuidadosamente os detalhes históricos da sua nova mini-série sobre o Titanic. A série produzida pela ITV marca o centenário do desastre e conta a famosa tragédia em quatro episódios a partir de vários pontos de vista de passageiros diferentes. Mas, ao questioná-lo sobre o desafio de conhecer em pormenor todos os eventos a bordo do navio, Fellowes disse que a série será susceptível de atrair o mesmo escrutínio de "autenticidade" como aconteceu com Downton Abbey. "Downton tornou-se um treino para este projecto," disse Fellowes numa entrevista à revista Sunday Times Culture.
  
video
"Ou seja, recordo-me de certa vez alguém criticar o filme de James Cameron, e a base principal do seu ataque foi que Cameron tinha as luzes acesas do casco erradas. Ou seja... E daí? Tentámos ser tão precisos quanto pudemos, mas não tenho absolutamente dúvida nenhuma de que haverá pessoas que irão dizer, 'Oh, o restaurante do Gatti foi dessa cor e não daquela', ou algo assim." Fellowes disse que está preparado para as perguntas sobre a atuação do 2º Oficial Charles Lightoller na sua série, que é visto como um herói ao permitir às mulheres e crianças serem evacuadas em primeiro lugar. O escritor de Downton Abbey disse que Lightoller cometeu erros, acreditando que os homens podiam nadar até aos botes em segurança, enquanto as mulheres e crianças fossem resgatadas. Mas a sua atenção para os aspectos históricos da série será a sua aposta para o sucesso, acrescentou. "As pessoas só se preocupam com estes detalhes quando se tem um sucesso anterior como Downton Abbey. Se Titanic consegue despertar esta sensação, então provavelmente significa que a série não se afundará."