sexta-feira, setembro 30, 2016

NOVIDADES TITANICFANS SETEMBRO

NOVIDADES DO TITANICFANS 
EM SETEMBRO FOI ASSIM 
1 de Setembro de 19851 de Setembro de 1985: O TITANIC foi descoberto por Jean-Louis Michel e Robert Ballard. A equipe de Ballard detectou o primeiro sinal dos destroços do Titanic à 1h da manhã desse dia. 
O Japonês do Titanic Masabumi Hosono (Masabumi Hosono, 細 野 正文), era um oficial japonês que nasceu em 1870 e morreu em 1939, quando tinha 69 anos. Será lembrado por ser o único passageiro japonês no RMS Titanic, e também por ter sobrevivido ao incidente. 
A Colisão do Olympic Depois de apenas três meses de serviço na linha atlântica, em 20 de Setembro de 1911, uma quarta-feira, o Olympic teve de permanecer desarmado durante seis meses, em consequência de um choque com um navio militar da frota britânica. 
O Real Coração do Oceano Titanic de James Cameron apresenta um romance proibido e um colar magnífico conhecido como o "Coração do Oceano", este pormenor foi adicionado ao filme para o tornar mais interessante. Mas o Titanic foi palco de uma história muito semelhante, com um casal que embarcou a bordo do navio com o falso nome Sr e Sra Marshall.
"TO MAKING IT COUNT!" 

sábado, setembro 24, 2016

O REAL CORAÇÃO DO OCEANO

video
A HISTÓRIA DA SAFIRA 
Esta é uma das 29 cenas excluídas que se encontram no dvd especial lançado em 2005. Quando o oficial Lowe retornou ao local do naufrágio em busca de alguém ainda vivo, deparou-se com tantos corpos que era difícil passar por eles sem lhes tocar. Pessoas de todas as classes com histórias e segredos que levaram consigo para o fundo. 
Titanic de James Cameron apresenta um romance proibido e um colar magnífico conhecido como o "Coração do Oceano", este pormenor foi adicionado ao filme para o tornar mais interessante. Mas o Titanic foi palco de uma história muito semelhante, com um casal que embarcou a bordo do navio com o falso nome Sr e Sra Marshall. Um casal misterioso de 2ª classe, recatado em que se percebia a diferença de idades entre os dois. Os seus nomes eram Henry Morley de 40 anos, dono de uma loja de doces em Worcester, Inglaterra, e Kate com 19 anos que tinha sido contratada para ser a sua assistente de balcão. 
Em pouco tempo, as coisas foram além da relação profissional e Morley começou a fazer planos para deixar a sua esposa e filha para ficar com a sua amante Kate. O casal preparou tudo para fugir a bordo do Titanic e começar uma nova vida na Califórnia. A bordo, Morley ofereceu a Kate Florence Philips um valioso colar de safira. Após o acidente com o iceberg, Kate embarcou no último salva-vidas. Morley não teve tanta sorte. Exactamente nove meses depois da tragédia, Kate deu à luz uma menina chamada Ellen. 
Em 1989, a história de Ellen ficou conhecida depois que visitou o escritório da Worcester News, procurando por uma imagem do seu pai. O jornal tinha publicado anteriormente um artigo contendo detalhes das vítimas de Worcester a bordo do Titanic e Ellen com 76 anos chorou enquanto segurava a fotografia do seu pai Henry. Ela também relatou a história da sua mãe, e revelou que ela ainda tinha o colar de safira de Kate, bem como uma chave da cabine do Titanic. Em 2012, a neta de Ellen, Beverley Farmer, e a bisneta de Morley, Deborah Allen, realizaram uma reunião para marcar o 100º aniversário do desastre do Titanic.

domingo, setembro 18, 2016

A COLISÃO DO OLYMPIC

O OLYMPIC CHOCA COM O HAWKE 
Depois de apenas três meses de serviço na linha atlântica, em 20 de Setembro de 1911, uma quarta-feira, o Olympic teve de permanecer desarmado durante seis meses, em consequência de um choque com um navio militar da frota britânica.
O Olympic acabava de deixar Southampton e contornava a baía de Thorn Knoll, quando avistou, a duas milhas de distância, o cruzeiro HMS Hawke, procedente de Solent, que voltava à base de Portsmouth depois de realizar alguns testes de máquinas a três quintos de potência, com os motores a 82 rotações. Rapidamente, as duas embarcações navegavam em rota de colisão e, apesar das manobras junto ao leme, o choque entre elas causou sérios danos a ambas. As conseqüências da colisão foram muito além dos danos sofridos no choque e maiores ainda do que a necessidade de se determinar qual dos dois navios era o culpado pelas avarias, pois o ocorrido fora sentido inclusive em Belfast, onde os prazos de trabalho do Titanic sofreram uma brusca e inesperada interrupção. Três horas e dez minutos depois do choque, Ismay enviou um telegrama de Liverpool ao almirantado de Londres para informar sobre a colisão e para pedir que a base naval de Portsmouth oferecesse ao transatlântico da White Star toda a assistência necessária. Porém, o Olympic prescindiu de ajuda e, embora gravemente danificado, ancorou em Cowes, onde esperou a maré subir para entrar no porto de Southampton com apenas um motor.
No dia que se seguiu ao acidente, a casa Ocean Stream Navigation, proprietária da White Star Line, pleiteou uma indemnização pelos danos sofridos e, como não podia enfrentar directamente o almirantado, que gozava do benefício de imunidade, levou a julgamento o capitão do cruzeiro da Marinha Real, William Frederick Blunt. O almirantado respondeu com um pedido de indemnização contra a White Star Line pelos danos sofridos no Hawke. Consequentemente, os dois processos foram unificados na secção do Supremo Tribunal, presidida por sir Samuel Evans. Embora se tratasse apenas de uma compensação pelos bens materiais, pois não havia mortos ou feridos, uma causa que tratasse de problemas entre um navio de guerra e a maior e mais luxuosa embarcação do mundo não poderia ser conduzida como um assunto rotineiro. A própria escolha dos advogados mostrava que as duas partes em litígio pretendiam esgotar todos os recursos.
O representante legal do almirantado foi o parlamentário sir Rufus Isaacs, segundo fiscal geral, cujo assistente era Butler Aspinall, conselheiro da Coroa. Na qualidade de presidente da White Star Line, Ismay preferiu ser representado por F. Laing, um famoso advogado de inquestionável experiência e também conselheiro da Coroa.

sexta-feira, setembro 09, 2016

O JAPONÊS DO TITANIC

O JAPONÊS DO TITANIC 
Masabumi Hosono (Masabumi Hosono, 細 野 正文), era um oficial japonês que nasceu em 1870 e morreu em 1939, quando tinha 69 anos. Será lembrado por ser o único passageiro japonês no RMS Titanic, e também por ter sobrevivido ao incidente. Mas, acima de tudo, será lembrado na terra do sol nascente como um covarde por não ter ido para o fundo com o navio. Com 42 anos Hosono era funcionário público que trabalha para o Ministério dos Transportes japonês. Tinha sido enviado para diferentes países para investigar os sistemas ferroviários do Estado. Na viagem de regresso, Hosono encontrou-se em Londres, onde permaneceu por um curto espaço de tempo e depois seguiu para Southampton, onde embarcou no Titanic em 10 de Abril, 1912 como passageiro de segunda classe. Na noite de 14 para 15 Abril foi despertado por um membro da tripulação do navio. Quando ele entrou no convés, mesmo sem saber exatamente o que estava a acontecer, foi bloqueado, por não ser permitido no convés pessoas que não eram de primeira classe. Com o passar do tempo, ele conseguiu subir ao convés, onde viu com horror que os foguetes de emergência estavam a ser disparados incessantemente: "A toda a hora os foguetes de emergência eram disparados no ar de forma constante, e os terríveis flashes azuis e os ruídos eram simplesmente aterrorizantes, eu não poderia de modo algum afastar o sentimento pleno de horror e desolação. "
Hosono viu os botes salva-vidas partirem deixando a morte certa e iminente no navio. "Eu estava profundamente devastado e achava que nunca seria capaz de ver a minha amada esposa e filhos, pois não havia outra alternativa para mim se não compartilhar o mesmo destino que o Titanic". Hosono observou como cada vez menos botes salva-vidas restavam: "tentei preparar-me para os últimos momentos sem agitação, tornando a ideia de terminar sem constrangimento, como um bom japonês. Ainda assim, eu me vi a olhar e a esperar por qualquer oportunidade possível de sobreviver.
Hosono viu um bote salva-vidas cheio, e um oficial gritou: "há espaço para mais dois", assim um homem saltou a bordo. Hosono vendo isto fez a mesma coisa. "Felizmente, os homens encarregados do barco estavam ocupados com outras funções e não prestaram muita atenção em mim e tambéma noite escura ajudou para que eles não vissem se eu era um homem ou uma mulher." Por volta das 08:00 de 15 de Abril os passageiros  do barco salva-vidas foram resgatados pela RMS Carpathia.
Masabumi Hosono salvou-se para ver a sua esposa e filhos, mas isto teve consequências terríveis no seu país, quando a história do homem começou a ser conhecida: Perdeu o emprego como oficial e foi marcado como um covarde pela imprensa japonesa. Acabou por se tornar um pária e motivo de um ostracismo total. Foi assim tão severamente criticado porque, de acordo com o ponto de vista japonês, tinha traído o "espírito" do sacrifício do samurai.
Alguns anos mais tarde, o Ministério novamente o contratou por ser alguém insubstituível; mas a honra da família não foi restaurada até que tenha publicado no final dos anos 90, uma carta que Hosono escreveu, quando o naufrágio do Titanic voltou com o filme de sucesso dirigido por James Cameron.

quinta-feira, setembro 01, 2016

1 SETEMBRO 1985

1 DE SETEMBRO DE 1985 
1 de Setembro de 1985: O TITANIC foi descoberto por Jean-Louis Michel e Robert Ballard. A equipe de Ballard detectou o primeiro sinal dos destroços do Titanic à 1h da manhã desse dia. De 9 de Julho a 7 de Agosto, a bordo do Le Surôit, a expe­dição franco-norte-americana liderada pelo Dr. Robert Ballard (Woods Hole Oceanographic Institution) e Jean-Louis Michel (Institute Français de Recherches pour l'Exploitation des Mers - IFREMER) procura o ponto do naufrágio, delimitando uma área de 260km². As operações são suspensas devido ao mau tempo. Os mesmos investigadores retomam ao Atlântico Norte, em expedição que começa a 22 de Agosto e termina a 4 de Setembro. Operando um sonar e o submergível não tripulado Argo, dirigido por controle remoto e dotado de câmara de vídeo que transmite as imagens por um cabo de fibra ótica, Ballard explora 80% da área anteriormente delimitada e, à uma hora da madrugada de 1º de Setembro, descobre os restos do Titanic a quase quatro kilometros de profundidade, 560km a sudeste de Terra Nova e a 1.600km de Nova York. A primeira visão de Ballard é uma das caldeiras. Os detritos se espalham em área de 2,6km². A pressão, nessa profundidade, é de 400kg por cm². O jornal britânico The Observer publicou a história no mesmo dia. Como os fusos horários eram diferentes, isso quer dizer que a historia deve ter sido imprensa no mínimo oito horas antes da descoberta! Será que alguém sempre soube onde estava o Titanic? Abaixo segue a lista de sobreviventes do Titanic que viram a notícia nesse dia e viram novamente o navio 73 anos e 6 meses depois de o terem visto pela última vez em Abril de 1912.
Eileen Lenox-Conyngham (desembarcou em Cherbourg em 10/4/1912);
Millvina Dean
Bertram Dean
Barbara West (Dainton)
Eva Hart 
Ruth Becker (Blanchard)
Alden Caldwell 
John Ryerson 
Lillian Asplund
Winifred Quick (Van Tongerloo)
Edith Brown (Haisman) 
Michel Navratil 
Hjalmar (Agnes Charlotta Bengtsson) Sandström 
Beatrice Sandstrom (filha de Agnes Sandström)
Louise Kink (Pope) 
Eleanor Schuman 
Louise LaRoche 
Marjorie Newell (Robb) 
Frank Aks 
Marshall Brines Drew