quinta-feira, abril 09, 2009

AS MINHAS MEMÓRIAS NO TITANIC
Richard - A família da minha mãe vivia em Londres. O meu pai tinha muitos hotéis, lojas e casas. Houve uma descida de valores e decidiram expandir o negócio para Seatle na América onde tinhamos um tio da minha mãe a viver. Viajavam sempre todos juntos em primeira classe para onde quer que fossem. O meu pai, a minha mãe, a minha irmã, iamos todos para Seatle. Não era suposto embarcarmos no Titanic. Tinhamos reserva noutro navio. Mas devido à greve dos mineiros do carvão a nossa passagem foi cancelada. Telefonaram ao meu pai e disseram que havia uma vaga ou uma cabina em primeira classe no Titanic...
As lembranças de Richard retornaram a 1912, estava agora com apenas 12 anos, era loiro, olhos azuis, típico menino nórdico de boas famílias inglesas... estava em casa com os pais a avó e a irmã ainda bebé... O telefone tocava...
Camille - ... está a sorrir para o Richard...
James - Senhor Barks, telefone para o senhor.
George - Disse quem era?
James - De uma companhia de navios, disse ser muito importante.
George - Sim?
- Estou sim, muito boa tarde. Fala da White Star Line, estamos a falar para casa do senhor George Barks?
George - Sim, fala o próprio.
- Sr. Barks, temos uma vaga no Titanic, querem ocupá-la?
E ele, claro, ficou agarrado ao telefone, atirou-se ao ar e disse que sim. Veio e disse à minha mãe:
George - Vamos na primeira viagem do Titanic!
Ele estava encantado, que sorte, não era?

No dia 9 de Abril de 1912, terça-feira, véspera da partida do Titanic, faziam-se as últimas visitas ao maior navio de sempre. Repórteres, curiosos, todos queriam visitar o navio. Passamos o dia anterior à viagem no hotel South Western House de onde se podia contemplar da janela as quatro chaminés do Titanic. Lá pudemos encontrar outros passageiros ilustres como o Sr. Ismay... Eu estava na suite com os meus pais e o meu tio John, irmão do meu pai e mais novo do que ele.
George - E então?
Camille - Parece-me bastante luxuoso...
Richard - Pai, mãe! Olhem ali!
George - Vejam só! É mesmo. O nosso navio.
John - Amanhã vamos passear dentro dele.
Harriet - Minha filha, esta é a Dorothy...
Todos olharam para a minha avó...
Harriet - O que há? Ter uma empregada que fale gaelico está na moda e além disso precisas de alguém que te ajude com o bebé, Camille.
Richard - Olá, Dorothy... estás nervosa?
Dorothy - Não, menino.
Camille - Não precisa de se sentir nervosa.
A minha mãe sorriu e aproximou-se da minha avó e disse-lhe baixinho...
Camille - Mãe... a mãe sabe que eu não queria mais ninguém, já bastou a situção que a outra empregada nos deixou. Eu podia suportar bem os meus filhos...
Richard - Vamos amanhã no Titanic!
Camille - É verdade. Embarcamos amanhã para Nova Iorque e depois para Seatle.
Harriet - A nossa empregada deixou-nos numa situação difícil, temos o bilhete dela disponível. Dorothy, gostaria de vir connosco no Titanic?
A jovem sorriu e disse
Dorothy - Sim, minha senhora, este emprego é tudo o que eu mais anseio.
Camille - Então, está cheia de sorte. Tem referências?
Dorothy - Tenho sim, minha senhora.
Harriet - Ela trabalhou para os Iversons. Não poderia ser melhor.
Camille - Então está admitida. Esta noite vamos assistir ao espectáculo de Adeline Gené. Vamos ter que sair, mas vou deixar-lhe as indicações da hora que as crianças devem comer as refeições... Vai ver que vai gostar de ficar connosco...
Eu estava com o meu tio John na varanda da suite e não tirava os olhos do Titanic que agora estava todo iluminado à medida que o Sol se punha. A partida era já no dia seguinte.

In "Eu sou um sobrevivente do Titanic" para ler o livro inteiro clique aqui

2 comentários:

Alencar Silva disse...

Sessão Nostalgia...
Recordo muito bem desta estória e do sucesso que foi na época...
Bons tempos que não voltam mais...

Abraços...

Pâm SãoPauliNa-RP disse...

Uauuuuuuuuu!
Como sempre o blog showwwwwwwwww
adoro vim aqui hehehehehehehehehehe

bons tempos...........
isso da saudade neh pra ti???
bjao