sábado, agosto 10, 2013

PESADELOS DE UM SOBREVIVENTE

PESADELOS DE UM SOBREVIVENTE 
Einar Carlson sentiu o impacto quando o Titanic bateu no iceberg.
Einar era passageiro de terceira classe, o jovem sueco de 21 anos e seu amigo estavam no seu camarote no convés mais baixo do navio. Ao chegarem ao deck superior, eles notaram o odor característico do gelo. Uma sensação estranha tomou conta de Carlson, quando viu pedaços de gelo no convés. Ele sabia que o grande navio estava em apuros.
Einar (Karlsson) Carlson, que nasceu na cidade costeira de Oskarshamm, cresceu rodeado de navios. Ele sabia que nenhum deles era inafundável.
Einar serviu no exército sueco, tornando-se cabo antes de passar à reserva. A sua filha Rose Ann Jensen, acredita que o treino de seu pai no exército, junto com a sua desenvoltura e capacidade atlética, ajudaram-no bastante a bordo do Titanic.
Em 1912, Einar foi tomado pela "febre" de emigrar para os Estados Unidos.
Assim, ele e seu amigo compraram passagens para irem no RMS Adriatic, mas foram transferidos para o Titanic depois da greve do carvão. Após embarcar, Einar, um jovem de natureza inquisitiva, explorou todo o navio, algo que mais tarde provou ser -lhe muito útil.
Pouco antes da meia-noite no dia 14 de Abril, o enorme navio bateu no iceberg. Graças às explorações de Einar durante a viagem, ele e o seu amigo encontraram o caminho para os botes salva-vidas facilmente. Quando ele viu os botes parcialmente cheios, percebeu que os passageiros acreditavam que o navio não podia afundar.
Com um barco salva-vidas a ser descido, Einar e o seu amigo saltaram para as cordas que seguravam a pequena embarcação e rapidamente desceram por elas. A descida foi demorada, queimando e rasgando a pele das suas mãos. Eles tiveram queimaduras da corda nos seus pés porque quase iam perdendo os sapatos. Chegaram ao bote assim que este bateu na água, era o bote 13, o que teve um incidente quando o bote 15 ficou por cima deste e quase esmagou os passageiros. Einar relatou mais tarde como os botes salva-vidas remaram para longe do Titanic para que não fossem puxados pela sucção. Ele observou que o navio afundou de forma opulenta e que viu grandes flashes de luz que seriam os foguetes de socorro. 
Einar chegou aos Estados Unidos e começou a trabalhar numa fábrica de máquinas de escrever e, posteriormente, tornou-se dono de uma quinta. Einar não perdeu tempo e começou a aprender Inglês, algo que ele acreditava que o teria ajudado no Titanic.
Curiosamente Einar, iria enganar a morte mais uma vez. Alistado no Exército dos EUA durante a Primeira Guerra Mundial I, ele e outros soldados foram apanhados desprevenidos sem as suas máscaras de gás durante um ataque químico. Einar sobreviveu mas ficou com um tremor permanente nas mãos.
Casou-se em 1922, tiveram quatro filhos, incluindo Rose Ann, nascida em 1935. Einar guardou para o resto de sua vida a memória das primeiras horas daquela noite de 15 de Abril. Todos os anos em Abril, ele tinha pesadelos acordando aos gritos e todo suado. Depois de casado, todos os anos em Abril ele ia dormir para um celeiro para evitar assustar os seus filhos com os gritos.
Einar tinha 67 anos, quando faleceu de um ataque cardíaco em 12 de Abril de 1958.
Ele foi enterrado no dia 15 Abril de 1958 - exactamente 46 anos depois do Titanic afundar.

3 comentários:

Tarcis O.Santos disse...

sem dúvida nenhuma, o Titanic tem algo muito além de um navio que naufragou e levou muitas vidas, ele tem algo de sobrenatural.

Nilton disse...

Realmente a historia desse rapaz é muito forte, ninguem nunca imaginava naquela noite de 14 de abril no Titanic que uma tragédia estaria por vir.

Mário Monteiro disse...

Olá Nilton e Tarcis, realmente esta história é fascinante. =)