quarta-feira, maio 01, 2013

E A BANDA TOCOU ATÉ AO FIM

O QUE FEZ A BANDA TOCAR ATÉ AO FIM? 
Desde que me dedico ao Titanic, e às pessoas a bordo, as perguntas mais frequentes que me fizeram foi: Porque os oito músicos do Titanic continuaram a tocar no convés, mesmo quando o navio se estava a afundar? Foram ordens do capitão? Fazia parte das funções a desempenhar como banda? Será que pensaram em algum momento que seriam salvos?
Ao estudar durante todos estes 17 anos o Titanic, descobri que os músicos da banda não eram empregados da White Star Line. Eles foram recrutados por uma agência de música de Liverpool que por sua vez prestava serviços aos navios.
Este tipo de negócio causou impacto nos músicos que trabalhavam em navios que vieram a descobrir, após o desastre, que não tinham direito a indemnizações de vida pagas a seus familiares, ou seguro sobre os seus bens a bordo de um navio.
Acredito que a banda tomou a corajosa decisão de continuar a tocar, por causa do carácter moral do seu líder, o violinista Wallace Hartley.
Como eles não eram funcionários do navio teriam os mesmos direitos que todos os passageiros a deixar o Titanic nos botes salva-vidas. O capitão poderia ter recomendado que eles tocassem, mas ele não poderia ter dado ordens para o fazerem. Wallace Hartley, tinha tocado anteriormente nos navios concorrentes Mauritânia e Lusitânia, era natural da pequena cidade de Colne em Lancashire, Inglaterra e foi criado na igreja metodista. Seu pai era o maestro da igreja e responsável pela introdução do hino "Mais perto, meu Deus, de Ti" na sua congregação.
Por tudo isto, Hartley era uma pessoa de altos princípios e um cristão devoto. Estava noivo de uma jovem cristã, Maria Robinson, e iriam casar depois que terminasse a viagem no Titanic. Rapaz gentil e alegre, ia sempre à igreja quando estava de volta a terra.
Há dois comentários interessantes que ele fez aos colegas e que lançam alguma luz sobre por que se comportou deste modo. O primeiro foi citado por um músico no Celtic chamado John Carr, que tinha trabalhado com Hartley: "Eu não acredito que ele tenha esperado para ser chamado a tocar, mas sim que assim que descobriu o quão perigosa era a situação, reuniu os seus homens e começou a tocar ", disse Carr. "Lembro-me que muitas vezes ele disse que a música era a arma mais poderosa contra doenças, maior do que qualquer coisa na terra. Ele sabia o valor da arma que ele tinha, e eu acho que ele provou o seu ponto de vista ".
O segundo comentário foi dito por Ellwand Moody, um músico no Mauritânia, que serviu sob as ordens de Hartley. Ele disse a um jornal britânico: "Eu lembro-me que um dia perguntei o que ele faria se estivesse a bordo de um navio a afundar e ele respondeu: 'Eu acho que não faria nada melhor do que tocar ‘Oh God Our Help in Ages Past’ ou ‘Nearer, My God, to Thee’.”
Assim, parece quase certo que Wallace Hartley ao se deparar com um navio que se afundava, já tinha decidido como iria reagir. Ele acreditava que a música poderia evitar o pânico e criar a calma. Ele também tinha escolhido a sua última peça de música.
Não descobri nenhuma história nas vidas destes músicos que me levasse a pensar que eles nasceram com o gene da coragem. Tal como acontece com a maioria das pessoas que realizam actos heróicos, presumo que eles não sabiam das suas verdadeiras capacidades até ao momento em que a tragédia as fez revelá-las. Mas também acho que sem o calibre moral e espiritual de Wallace Hartley, o homem a quem procuraram orientação musical, eles não teriam descoberto a sua verdadeira essência antes de morrerem.
Ao Cláudio Alves 

4 comentários:

Allan Vila Nova disse...

"a música era a arma mais poderosa contra doenças, maior do que qualquer coisa na terra."

Acho que está tudo dito, não é?

Mário disse...

:) acredito!

stefanie disse...

encontrei o seu blog hoje e estou fascinada sempre me interessei pela historia real do titanic e pela white star line e aqui encontrei coisas que não tinha lido ainda. Muito bom, parabéns pelo teu trabalho!

Mário disse...

obrigado Stefanie, fico muito contente que tenha gostado :)