domingo, outubro 11, 2009

ESPECIAL TITANIC

ÚLTIMO DIA DE EXPOSIÇÃO DO TITANIC EM LISBOA
11 de Outubro de 2009, Lisboa, 9:27, 31 ºC, dia quente para Outono que mais parece Verão que não se quer ir embora... Lancei-me para a rua a caminho da estação do Rossio a fim de ser o primeiro visitante do último dia da exposição do Titanic, uns 20 minutos a pé de casa até lá. Em dia de eleições, a maioria dos lisboetas veste-se bem só para ir exercer o seu direito de voto, ao passo que outros iam a caminho da missa à Igreja de Santa Catarina onde o sino enorme tocava. Cheguei a estação do Rossio como quem vai para Sintra. Fui o primeiro mais uma senhora que chegou práticamente quando a mim (mais tarde na fila apercebi-me que pediu um bilhete sénior - mais de 65 anos), logo de seguida um senhor chegou que estava impaciente. Como ainda faltavam 10 minutos, fiquei a ver alguns livros na feira improvisada enquanto a maioria dos turistas comprava bilhetes de comboio para Sintra, livros como "As campanhas portuguesas em África 1961-1974"! Apercebi-me mais a dita senhora que a jovem abriu as portas da exposição, aproximámo-nos, pediu que aguardasse-mos mais dois minutos só até ela colocar os pins para se formar fila. Dez horas, podiamos entrar. Deixei que a senhora passasse na minha frente... "Um bilhete para maiores de 65" - "com audio tour por mais 4€?" - questionou a jovem da bilheteira. Assim como a senhora, eu também não achei que fosse necessário, até pelo preço referido, agora penso que realmente não foi necessário o audio tour. O meu bilhete é o que está aqui exposto, tornei-me o sr Thomas Andrews. Havia um molhe enorme de bilhetes, foi de certo modo uma sorte ficar com o sr Andrews - "No fim da exposição pode procurar pelo seu nome para saber o que aconteceu ao passageiro." - "Já sei o que lhe aconteceu..." - a senhora sorriu, alertou para não se poder tirar fotos, nem levar sacos ou mochilas tal como referia o bilhete de ingresso. "Pelo menos apontamentos posso tirar?" - "Apontamentos pode tirar." O primeiro artefacto que podemos ver e que abre caminho ao primeiro salão temático, sempre acompanhados de música ambiente para cada espaço, é uma pequena garrafa azul escura, onde a indicação curiosa é que entre a recuperação da garrafa e da sua rolha de vidro, foram dez anos de diferença. Do lado esquerdo uma maleta preta de um passageiro, em couro... seguindo caminho pelo escuro, temos alguns dizeres de alguns passageiros, como Lawrence Beesley, esta sala demonstra os cuidados a tomar num processo de conservação. Subimos as escadas e deparamo-nos com um exemplar submersível amarelo que foi aos destroços do Titanic, que é bastante grande (diria três metros de altura), os muitos painéis espalhados pelo recinto contam um pouco de cada ambiente como por exemplo o tempo que leva o submersível a ir e a voltar de uma expedição (cerca de 12 a 14 horas). Entre os muitos artefactos recuperados que se encontravam neste primeiro patamar, os que achei mais curiosos foram as molas de roupa em madeira de um passageiro de terceira-classe, as enormes panelas recuperadas e os pratos empilhados na areia tal e qual encontrados no fundo do oceano, pareciam como novos! Refere a indicação dos pratos que estes estavam ordenados dentro de um armário que se desfez com o tempo deixando expostas as loiças enfileiradas por um dos tripulantes na viagem inaugural, no fim desta sala um pedaço recuperado do casco negro do Titanic onde poderiamos tocar. Seguindo caminho, voltamos no tempo, o som ambiente é de gaitas de foles, um ambiente vermelho e amarelo torrado com caixas de carga e sacos de lona enormes, estamos em Belfast na Irlanda, o chão deste salão é todo em madeira, percebemos então como começou a lenda do maior navio de todos os tempos e os seus protagonistas desde a sua contrução, lançamento ao mar e seu carregamento prévio antes de partir. Existe um vídeo com imagens da época em que vemos o Titanic. Como não poderia deixar de ser temos alguns dos artefactos da construção também nesta área, como os mosaicos do chão das casas-de-banho / banheiro. No fim deste curto salão, temos uma fotografia do capitão, relembrando a sua frase de não conseguir conceber que um navio do seu tempo, avançado em tecnologia e com tamanha magnitude pudesse sequer afundar. Curiosamente algum visitante mais comovido deixou por baixo da sua fotografia um ramo de flores (possivelmente do dia anterior). Deparo-me com os pés na ponte de embarque, avancei, entrei num novo salão ao som da banda do Titanic, temos uma boa carpete no chão, e objectos dos vários salões do Titanic de primeira-classe e conhecemos alguns dos passageiros mais ilustres. Temos um painel sobre o restaurante á la carte e algumas das loiças recuperadas do mesmo, outro do café parisien e suas loiças onde podemos perceber que os adornos turquesa e ouro já se desvaneceram. Podemos ver as armações dos lustres de cristal e algumas curiosidades como os fios de suporte destes candeeiros que eram invulgarmente mais fortes a fim de evitar balançarem com o navio e dar uma sensação de estabilidade a cada passageiro... realmente no Titanic tudo foi concebido ao pormenor! Até as pastas dentífricas estavam lá, elas foram encontradas em grande número, indica a nota de referência que por serem em grande número e cada caixa ter pouca quantidade, teriam sido oferta da White Star, ou óleos para o cabelo. Temos também uma vigia, em que a tripulação pedia encarecidamente que sempre que um passageiro quisesse abrir a vigia por favor chamasse um camareiro, pois muitos se esqueciam no pendulo pesado que fechava a vigia e a mantinha estanque de modo que este resultava em dedos partidos e uma ida ao hospital do navio. Alguns objectos pessoais souvenirs de outros navios ou estadias também são encontrados entre os objectos recuperados dos passageiros. A réplica do camarote de primeira-classe é deslumbrante e tem um aspecto muito confortável, mesmo o quarto da tripulação do Titanic era aconchegante! Este salão foi sem dúvida o mais alegre de todos os salões, podemos encontrar pormenores, como as hastes dos bancos de convés, a loiça onde era servido o chá no convés aberto em pires largos, a forma como era servida a água potável, os banhos em água de mar, a opção frio/quente, os aquecedores, os primeiros objectos de higiene pessoal feitos em plástico para imitar marfim com preços mais acessíveis, caxinha de lâminas de barbear gillete, uma bacia para os passageiros que sentissem náuseas na viagem, jóias como um colar de seda e diamantes, cartas de baralho, indicando que o capitão alertou para a tripulação estar de olho naqueles que se aproveitassem para fazer fortuna pela batota, de modo a terminarem com o jogo, diz até que no primeiro almoço servido no salão de segunda-classe do Titanic, alguns passageiros ficaram apavorados porque julgavam ter-se enganado no salão e que estavam na primeira-classe. Ao descer das escadas voltamos a escuridão, estamos na sala das máquinas, podemos ver um pedaço enorme de carvão recuperado, algumas peças das turbinas e filtros e uma imitação do som de funcionamento desta sala, é uma sala escura com luzes vermelha, a mais pequena de todas que nos leva para a sala da ponte de comando. Aqui temos inscrições de avisos de gelo, alguns objectos da ponte de comando, conhecemos o vigia Fleet, a referência vai para a indicação que o capitão não se despiu completamente da sua farda, pois estava de alerta até que adormeceu. O som puxa-nos para a sala seguinte, de novo mais escura, um rangindo como ferro que se dobra, e estrondos de algo que se quebra. Temos vários testemunhos de como cada passageiro ouviu o choque com o icebergue. É então que percebemos, o som provém de um vídeo que demonstra os últimos momentos do Titanic. Ao lado está uma janela de uma cabine dos oficiais no convés dos botes cujo vidro bastante grosso está partido. Em meio ao som arrepiante e ao frio que se faz sentir por haver um icebergue nesta sala em que podemos tocar (e eu toquei, indica lá que o frio da água naquela noite era ainda maior), temos outros tantos objectos do navio, como os guindastes de descer os botes. Após o icebergue chegamos à sala mais comovente, encontramos objectos de passageiros, sobreviventes e falecidos... uma das vitrines com aberturas dos lados possibilita-nos ainda cheirar as fragancias recuperadas de uma pasta do passageiro Adolph Saafeld, com 65 perfumes. Meias, gravata, óculos, um sapato, umas calças, uma cartola, um laço de primeira-classe, um broche com a inscrição "White Star Line", que pertenceu ao oficial Henry Pitman, assim como um cachimbo e uma bolsa de viagem de couro, uma garrafa ainda com champanhe lá dentro, são alguns dos muitos objectos mais pessoais que podemos observar por ali espalhados. Temos a história do senhor Howard Irvin que quis por sorte não embarcasse no Titanic com o seu amigo Henry Sutehal. Os dois viajantes e aventureiros resolvem embarcar no Titanic. Misteriosamente Irvin foi raptado no dia da véspera de embarque e levado para o Egipto onde foi obrigado a trabalhar forçado. Já Sutehal, embarca e receando que o amigo se atrase como era costume, resolve levar a sua bagagem para dentro do Titanic. Sutehal faleceu no Titanic, Irvin só o soube dias depois quando conseguiu escapar dos raptores. A sala final conta com um painel com toda a lista de passageiros e tripulação, lá podemos verificar o nome que consta no nosso bilhete e verificar se o nosso passageiro faleceu ou sobreviveu. Não precisei identificar Thomas Andrews. Um largo recinto de areia tem uma inscrição, no cimo está o sino do vigia. Mais à frente temos a história dos portugueses a bordo do Titanic e a conjuntura quer política (regicidio do rei dom Carlos I em 1908, e dois anos depois a destituição de Dom Manuel II e a instauração da républica a 5 de Outubro de 1910), quer literária da época (Fernando Pessoa e o movimento Orpheu), o fluxo migratório que se verificou no país... a dimensão de Lisboa e o seu crescimento até os anos 80. Finda esta sala, temos a sala de souvenirs e as cadeiras e mesas da palm court onde podemos sentar e tomar um café, adquirir uma lembrança, e deixar o nosso comentário no livro de recordações, e como não poderia deixar de ser o filme Ghosts Of Abyss que passa constantemente ao longo do dia. Deixei o meu registo no livro, observei comentários como "bilhetes mais baratos!" - "simplesmente espectacular" - "foi a primeira exposição do meu filho, estou fascinada" Eram 11h40, lembrei que o Titanic bateu no icebergue também às 11h40 mas da noite. Foi a minha hora de saída desta maravilhosa exposição que quem não foi ainda vai a tempo de ir até ao fim deste dia. O Titanic deve ter sido assim, absolutamente fascinante. Achei curiosa a inscrição no salão de primeira-classe que resolvi deixar para o fim:
"Morangos especiais em Abril em pleno oceano. Na verdade tudo isto é magnífico. Até poderiamos imaginar que estavamos no Ritz!" Lucille Lady Duff Gordon, primeira-classe.

4 comentários:

ines costa disse...

nem convidas te amigo da onça lol
espero k tenhas gostado e k esteja td bem contigo
beijinhos grandes

Alencar Silva disse...

Parabéns por esta belissima experiência.
Espero poder sentir o mesmo um dia.
Abraços...

marco disse...

eu tambem sou um grade fan de titanic tenho uma vasta colecção do,titanic.
tambem estive na esposição e fantastica,os 230 objectos são incriveis.
titanic forever

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Confesso que hoje ao ler mais atentamente este texto, onde vc cita de modo muito agradável sua experiência na exposição, não contive as lágrimas, pois ao aproximar-se a oportunidade de estar nesta exposição, aqui tão próximo de nós brasileiros, meu coração só consegue me dizer uma coisa: " Esta experiência irá me trazer um aspecto muito mais humano ao RMS Titanic, para minha mente este contato conseguirá tirar o Titanic da LENDA em meus pensamentos e trazê-lo à realidade "... Eu, de modo muito reflexivo, aguardo este momento... Espero que em breve.

Abraço amigo.