segunda-feira, janeiro 02, 2006

A QUEDA DE UM MONSTRO
Quando a primeira das quatro chaminés caiu sobre aqueles pobres passageiros ela não fez apenas vítimas por esmagamento. Devido à inclinação do navio e à tensão exercida sobre os cabos que a seguravam, estes soltaram-se e caíram como chicotes atingindo os que estavam nos seus caminhos, matando-os instantaneamente. Quem não morreu debaixo daquela monstruosidade ainda teve de lutar contra outra adversidade, para além da onda de impacto que afastou os últimos botes desmontáveis incluindo o bote virado B que empurrou consigo alguns homens contra alguns pequenos icebergs matando-os, era preciso nadar contra a sucção que a chaminé iria exercer visto que o grande cilindro aberto começou a meter água afundando-se levando para dentro dele os que mais cansados estavam de nadar. Como se não bastasse o navio ia afundando-se e o enorme buraco aberto deixado pela chaminé no convés começava a sugar enormes quantidades de água, engolindo homens, mulheres e destroços para dentro das entranhas do Titanic.

1 comentário:

Alencar disse...

Olá muito legal o post de hoje.
Fico imaginando a sensação de medo e pânico que deve ter tomado conta de todos ali.
É uma sensação que ninguém poderá descrever, só podemos imaginar como sendo o nosso maior pesadelo. Disso dobramos e assim provavelmente chegaremos a uma sensação vivida por aqueles que ali pereceram e sobreviveram.
PARABÉNS MÁRIO!!!!!