terça-feira, agosto 30, 2005

PADRE FRANK BROWNE
Nascido em Cortiça em 1880, Frank Browne entrou de uma família proeminente naquela cidade. O avô dele, James Hegarty, era o Deus Mayor, e o tio dele, Robert Browne, era o Bispo de Cloyne durante 41 anos. Os tempo de escola dele estavam gastos na Faculdade de Irmãos Cristãos, Arrolhe, o Convento de Bower, Athlone, Faculdade de Belvedere, Dublin, e Faculdade de Castleknock, Dublin. Quando o Frank deixou escola em 1897 que ele partiu em uma Excursão Principal da Europa. As imagens de resultante foram os primeiros tiros em uma desculpa de atividade fotográfica que ainda estaria reverberando depois 100 anos. De 1911 a 1916, Frank Browne estudou Teologia Dublin. Era durante este período que seu Tio Robert (o Bispo de Cloyne) lhe enviou um presente incomum: um ingresso para a viajem inaugural do RMS TITANIC, velejando de Southampton a Cherbourg e então para Queenstown (Cobh), Co Cork, Irlanda. Enquanto a bordo, um milionário americano se ofereceu pagar a estada dele pelo resto da viagem para New York. No retorno dele do Frank continente uniram os Jesuítas. Depois de dois ele freqüentou a Universidade Real em Dublin onde ele passou três anos na mesma classe como o Belvederian da mesma categoria dele, James Joyce. Depois da tragédia, as fotografias de Frank Browne se apareceram nas primeiras páginas de jornal ao redor do mundo. Ele alguma vez tinha tirado a última foto de Capitão Smith e o único levada no quarto de Marconi. A série dele começa a Waterloo Station com o “Titânico Especial” e documentos as atividades de passageiros e tripulação a bordo este navio sem igual, concluindo com o ser de âncora elevaram da água durante a última vez.

2 comentários:

Alencar disse...

Olá, sem comentários, tá ficando muito show esse BLOG.
Nosso amigo Padre Francis Browne se soubesse do que estava para acontecer, teria tirado muito mais fotos do Titanic. Pena que são poucas, a mais interessante é justamente a da sala do telégrafo. Mandou bem, Diego. Parabéns a todos do TITANICFANS.

Mario disse...

É mesmo o Diego continua de parabéns. Acho muito bom o trabalho que tem prestado aqui. tenho pena que algumas fotos do padre Francis Brown tenham-se perdido. Pois algumas teriam muito valor hoje. Parabéns Diego.