domingo, março 18, 2012

video
 TALHERES DO TITANIC ACHADOS EM PORTUGAL
Portugal tem uma história de tradições com o mar, de marinheiros, descobridores e pescadores desde que se fez nação há quase mil anos e a sua ligação ao Titanic não provém apenas do mar, nem dos quatro passageiros portugueses que estavam a bordo. A história aqui contada já se ouve falar há muitos anos, tantos quantos o Titanic tem desde que se afundou em 1912 e é hoje contada por Ana Maria Lopes, neta de um comandante de um navio pesqueiro chamado Golfinho, da época do Titanic e actual detentora de uma herança desejada por muitos. Ílhavo é uma cidade do centro litoral de Portugal pertencente ao Distrito de Aveiro com tradição de mar e de pesca de bacalhau. 
O navio Trombetas
De Abril até Outubro partiam desta pequena cidade os barcos ou lugres em direcção à mesma rota aproximada do Titanic para a pesca do bacalhau. Um desses pesqueiros de nome "Trombetas", em finais de Maio de 1912, encontrava-se pescando próximo ao local do naufrágio. Conta Ana Maria Lopes que após a tragédia do Titanic, ao chegar à Terra Nova, os Grandes Bancos estavam pejados de despojos flutuantes do desafortunado paquete. A tripulação do navio Trombetas recolheu alguns destes destroços, entre os quais estava um armário de sala de jantar do Titanic, com talheres da “White Star Line” todos marcados com o símbolo da proprietária do navio. Ao chegar à Figueira da Foz, em Outubro, já concluída a campanha de pesca, o capitão do Trombetas, João Francisco Grilo entregou ao seu armador, Lusitânia de Pesca a dita caixa. 
Ficha do Capitão João Grilo
Contudo, talvez por receio (já que se sabia que teria havido um pesqueiro próximo ao Titanic que não prestou auxílio às vitimas e desapareceu do local), não se interessou muito pelo assunto, aconselhando-o a ficar com uma parte e a distribuir os restantes, em Ílhavo, pelos familiares e amigos mais íntimos. Foi assim que Ana Maria Lopes herdou o seu quinhão deste serviço de jantar do Titanic que terá sido entregue ao seu avô capitão do Golfinho. 
As colheres herdadas
Sendo apenas uma tradição oral, Ana Maria Lopes continuou ligada a esta história e ao Titanic desde muito pequenina, e ao visitar a exposição do Titanic em Lisboa em 2009, constatou que a história era mesmo verdade, porque os talheres de prata que guardava em casa eram idênticos aos que estavam em apresentação nas galerias da exposição e que tinham sido recolhidos do fundo do oceano. Agora que o centenário da tragédia está cada vez mais próximo, alguns pesquisadores conceituados do Titanic e televisões estrangeiras têm-se deslocado ao local para avaliar as peças que se encontram espalhadas por algumas casas de família de capitães de Ílhavo, e acredita-se cada vez mais que esta história tem tudo para ser autêntica.

Sem comentários: