domingo, novembro 07, 2010

UM HERÓI
Durante quase um século, o timoneiro que dirigiu o Titanic na rota do iceberg foi punido por provocar o desastre, e ter então sacrificado a outros para salvar a sua própria vida. O contramestre Robert Hichens foi ridicularizado por supostamente ter virado o leme do navio para o lado errado, levando o navio inafundável a um acontecimento catastrófico. Mais tarde ele foi condenado ao ostracismo, depois dos sobreviventes estarem no seu bote salva-vidas, ele afastou-se com o bote, alegou que remou para longe do condenado navio, apesar dos apelos para voltar atrás e resgatar os passageiros que continuavam a gritar por socorro na água gelada. Pago pelos seus superiores para ficar em silêncio, Hichens ficou na lista negra das companhias marítimas mais importantes, mas manteve os seus segredos, mesmo com a infâmia a destruir-lhe a vida, vida essa que terminou consigo num estado lastimável, bêbado e participando no tráfico de armas no rio chinês Yangtze. Quando morreu, foi sepultado no mar em Setembro de 1940 com apenas 58 anos, dessa forma, parecia que os seus segredos tinham ido consigo para o fundo do oceano, para sempre. Mas agora, o seu testemunho pessoal e emocionante daquela noite em que o Titanic foi para o fundo pode ser contada pela primeira vez agora que a sua família finalmente quebrou o seu silêncio de quase um século. A sua história revela um drama cheio de decisões de cortar o coração, ele teve de tomar sob extrema pressão a decisão de vida para alguns - e a morte para outros. Os netos de Hichens, Sue e Paul Neal Woolgar, revelaram como o seu avô ficou assombrado pelos gritos das pessoas que morriam na água enquanto ele remava para sua segurança, e que ele manteve-se convicto do seu papel na tragédia, até aos seus últimos dias, convencido de que as suas acções teriam salvo a vida das pessoas que se encontravam no seu bote. Sue, de 58 anos, disse: "Ele vivia amargurado por ser um bode expiatório. Ele sempre disse que arruinaram por completo a sua vida e que tinha sido injustamente escolhido para ser o culpado de tudo. Se isso tivesse acontecido no mundo de hoje, ele teria sido aclamado como um herói por permanecer no seu posto e depois salvar tantas vidas quanto podia." Os detalhes das lembranças de Hichens permaneceram como o segredo mais bem guardado, no seio da fsua amília, desde que o orgulho da White Star Line partiu na sua viagem inaugural, e na madrugada de 15 de Abril de 1912 se afundou, com a perda de 1.517 almas. Hichens falou em dois inquéritos, mas depois foi pago pelos proprietários do Titanic para ficar em silêncio. Ele nunca mais falou das suas lembranças, excepto à sua família. Eles mantiveram assim o segredo por 98 anos, mas os seus netos, finalmente, decidiram intervir para impedir que ele seja para sempre marcado como um vilão nos livros de História. Esta decisão veio depois de um novo livro ter sido lançado, e aqui falado no TitanicFans, em que se afirma que o navio poderia ter continuado em segurança - mas foi condenado depois de Hichens ficar confuso com a decisão do seu superior e virou o leme para o lado errado, enviando o navio directo ao iceberg. Hichens contou a sua experiência dramática, de como foram os momentos finais do navio e a sua sobrevivência à sua filha Ivy, e que assim passou a história aos seus filhos antes de morrer em 1973, aos 58 anos. Sue, de Hounslow, Middx, disse: "Dói muito ler que o nosso avô, tenha supostamente dirigido o leme para o lado errado e causou o desastre. Ele sempre disse que no momento em que avistou da ponte o iceberg, já era tarde demais para tirá-lo da rota, porque o navio estava seguindo tão rápido e demorou demais para virar. Ele referiu que o pânico se instalou por toda a parte no momento em que atingiu o iceberg. Todos corriam mas a tripulação não acreditava que iriam afundar. Mesmo quando chocaram com o iceberg, ele disse que tinha permanecido ao leme tentando manobrar o barco e a mantê-lo estável até que foi mandado para o bote seis. Ele fez o seu dever. O seu relato é muito honesto e eu acredito que se ele poderia ter feito algo diferente que ele teria nos contado." Se Hichens ao leme foi considerado culpado, o seu comportamento no bote salva-vidas o indicou aos olhos do público como um bandido e um covarde. O bote 6, poderia embarcar 65 pessoas, mas deixou o Titanic às 00:55 com apenas 28 pessoas a bordo. Foi um dos botes salva-vidas a descer primeiro. A sua reputação foi manchada com o depoimento da nova rica Margaret Brown após o desembarque em Nova Iorque. Conhecida hoje como "Inafundável Molly Brown", ela rapidamente se tornou uma heroína devido a forma como contou a sua história de coragem e sobrevivência. Molly contou como ajudou na evacuação das mulheres e crianças, como remou no barco salva-vidas e contou sobre o seu pedido a Hichens para voltar e salvar aqueles que ainda estavam na água. Contudo a família de Hichens contou que ele sempre insistiu que a sua decisão salvou a vida de quem mais tarde o terá difamado. Sue disse: "A minha mãe disse-me que ele lhe contara que nunca conseguiu tirar da cabeça os gritos dos que morriam na água. Ele teve pesadelos até o dia em que faleceu. Ele disse que iria lembrar-se sempre dos gritos e das luzes do Titanic enquanto afundava, deixando-os depois no escuro do oceano. Mas foi-lhe dada a ordem de remar e levar o bote para longe do Titanic e que foi exactamente o que ele fez. Tinham de manter o rumo porque todos sabiam que quando o barco se afundasse iria sugar tudo com ele. Alguns passageiros tentaram convencê-lo a voltar, mas ele disse que nessa fase ele já estava a alguma distância do navio e recusou fazê-lo. Ele disse que não poderia ter voltado para trás porque havia tanta gente na água, que todos teriam tentado subir a bordo e virar o barco. Ele estava no comando do bote e ele acreditava que as suas decisões em última instância lhes salvaram as vidas. Ele manteve esta posição até o fim." Hichens contou como na ponte tiveram conhecimento, antes de embarcarem os passageiros, de que não havia botes salva-vidas suficientes para todos a bordo. No entanto, crendo que o navio não iria ao fundo e que alguns poderiam regressar mais tarde, os botes foram apenas parcialmente preenchidos até que se aperceberam que as coisas estavam a ficar mais sérias e começaram a encher os botes. Paul, neto de Hichens com 64 anos disse: "A história tem culpado o meu avô, mas é injusto. Ele fez tudo o que podia e foi arruinado pelo que aconteceu naquela noite. "Se fosse hoje os sobreviventes teriam sido acompanhados e reentegrados, mas isso foi-lhe negado pelos seus superiores e teve que recomeçar a vida da melhor maneira que pôde. As suas acções salvaram vidas e eu estou orgulhoso dele." disse o neto de Hichens, "até o momento em que o Titanic bateu no iceberg a cerca de 400 quilômetros ao sul dos Grandes Bancos da Terra Nova ele tinha sido exemplar. Ainda assim, apesar da sua notoriedade, o desastre deixou-o incapaz de encontrar trabalho em navios britânicos. Dirigiu-se para Hong Kong, onde ele confessou mais tarde a sua família, que recorreu ao tráfico de armas no rio Yangtze. Uma fotografia desbotada de 1928 mostra-o a bordo de um navio no seu uniforme, esta é uma das poucas lembranças que a família ainda tem do homem que supostamente afundou o Titanic, outra lembrança é um mapa que ele mesmo fez de todas as viagens que efectuou. Hichens recorreu à bebida e afundou-se na vida tanto quanto o Titanic, endividado, lutando para lidar com o tormento do que tinha acontecido no Titanic. Ele morreu de problemas cardíacos em 23 de Setembro de 1940, a bordo do cargueiro Inglês Trader. Foi sepultado no mar ao largo da costa da Escócia. A sua família afirma que ele foi mais uma vítima infeliz de uma das catástrofes marítimas mais mortais da história em tempo de paz. Das 2.223 pessoas a bordo do Titanic, só 706 sobreviveram. Mas, como a sua família insiste, o mais criticado da tripulação do Titanic foi para o seu leito de morte, insistindo que, se não fosse ele, o número de vítimas teria sido ainda maior.

2 comentários:

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Parabéns amigo!! Mais um post exclusivo e espetacular,,, Com esta história começa-se a quebrar o mito em torno de Hichens,,, a história geral mostra uma face, mas se olharmos mais intimamente é nas histórias pessoais onde reside as informações mais importantes,,, Sendo totalmente real ou não, a versão de Hichens é muito coerente... Há poucos dias quando lí a versão de que ele teria ERRAdo a manobra achei um completo ABSURDO.... Jamais acreditei que um marinheiro experiente, que já havia levado o Titanic a mais de meia viagem pudesse simplesmente ERRAR um manobra... estas histórias que saem às vezes parecem-me apenas sensacionalismo, e servem apenas pra duas coisas: MANCHAR A MEMÓRIA DE PESSOAS QUE AQUI NÃO ESTÃO MAIS E PARA VENDER LIVROS.... Não defendo Hichens, mas também não sou ignorante o suficiente pra não levar sua versão pessoasl com grande consideração...
..
..
..
Abraço amigo!!

Ana Rita Correia disse...

É, de facto, importante conhecer os vários lados da história para as coisas fazerem sentido. De qualquer forma, tenha sido sob ordens superiores ou nao, o que interessa é que ficaram muitas pessoas por resgatar na água e isso é profundamente lamentável.
Obrigado por partilhares, mais uma vez :)