domingo, novembro 21, 2010

EM DEFESA DE ROBERT HICHENS
Foi com grande espanto que muitos receberam a informação de que a real "razão" para o Titanic afundar foi porque um dos membros da tripulação não sabia distinguir a direita da esquerda. Isto foi revelado no novo livro de Louise Patten, neta do segundo oficial do Titanic, Charles Lightoller. Lightoller foi o oficial mais graduado a sobreviver ao naufrágio. Dado que o Titanic afundou há cerca de um século atrás, onde as regras de etiqueta tanto em voga obrigavam a necessidade constante da utilização de um de ambos os lados, esquerdo e direito, como no servir à mesa, etc, essa explicação é na melhor das hipóteses, uma falácia. Louise Patten continua a dizer que houve um desentendimento entre os termos, náuticos então, comumente usados, 'Hard to Starbord' e 'Hard to Port'. Isso não faz sentido algum, pois é muito difícil acreditar que a White Star Line fosse contratar para os seus serviços alguém que não sabia a diferença entre estibordo e bombordo para ficar ao leme do maior e mais luxuoso navio do mundo. É importante destacar que para a viagem inaugural, os tripulantes foram escolhidos meticulosamente, desde os oficiais aos empregados que vieram de outros navios, como o Olympic, e que iriam ficar ao serviço dos seus antigos passageiros que agora viajavam no Titanic e tão bem os conheciam. Para os mais leigos, tente-se imaginar na proa (parte da frente) do Titanic onde Rose esteve de braços abertos: o seu braço esquerdo corresponde ao lado Bombordo do navio, o braço direito ao lado Estibordo. Se até você entendeu isso com facilidade, acha que Hichens, o homem do leme naquela noite não saberia distingui-lo? Erros todos cometem, mas essa é uma das lições primárias de um marinheiro, e estes homens estão preparados para agir em situações de tensão. O livro tenta passar a informação aos leitores que, pouco antes do naufrágio, os oficiais tiveram um encontro onde foram informados do erro do tripulante. É ridículo esperar que, no tumulto causado por um navio prestes a afundar, os oficiais teriam um momento para confraternizar e apontar o dedo para o culpado do naufrágio do navio. Este tráfico de falsidades só pode ser atribuído à necessidade de aumentar as vendas do autor e elevar o seu avô ao status de herói. Relembro também, que em 2005 o TitanicFans publicou um artigo sobre o assunto quando no filme de James Cameron o 1º Oficial Murdoch dá a ordem «Hard to Starboard!» (Tudo a Estibordo!) vemos o Contramestre Hichens ao leme do Titanic que o roda todo para o lado esquerdo, ou seja Bombordo, e seguidamente vemos o navio rodar então para o mesmo lado. James Cameron recebeu centenas de cartas que diziam que a ordem estava incorrecta, pois se o rasgo no casco foi a estibordo, a ordem deveria ter sido "tudo a bombordo". Contudo, não há dúvidas que a ordem foi "Tudo a Estibordo" e que o rasgo foi a Estibordo também. Teria então sido Murdoch a cometer o suposto lapso? Na expedição de Julho de 2005 com cobertura pelo canal Discovery, James Cameron comenta ao vivo que na época, quando se mandava virar para um dos lados, a pá do leme viraria para o lado contrário fazendo o navio ir no sentido indicado, defendendo que o procedimento é "Históricamente Correcto".

3 comentários:

Rodrigo Aparecido Piller disse...

Gostei deste artigo, serve pra mostrar o que antes eu comentei... estes desparates sem sentido que saem sobre o naufrágio servem um único propósito: VENDER LIVRO e denegrir reputação de quem já se foi. Acho que não é preciso ser um técnico nem estudioso para entender certas coisas...

Brüno Santos disse...

Gostei do texto. Mas só lembrando, no Brasil, NÃO existe estibordo e sim, boreste. Estibordo somente em Portugal. Agora se esse lance da ordem ser pra um lado e o leme virar para outro, é um tanto confusa. Não estou dizendo que ela é mentirosa, mas deveria fazer o timoneiro perder alguns segundos fazendo o raciocínio pra onde o leme viraria.

Mário disse...

obrigado pela dica ;)