sexta-feira, janeiro 09, 2009

ENTREVISTA A JAMES CAMERON
PARTE II
- Com toda a história e recordações envolvidas na história do Titanic, como se sentiu quanto à sua mistura de liberdade poética e ser verdadeiro com os factos? Esteve consciente de como as pessoas na vida real recordam as coisas "todas misturadas"?
- Sim, eu acredito que essa história é uma alucinação consensual... Quanto mais pesquisa fiz melhor me apercebi de que existiam muitos espaços em branco... Fora o facto de termos tentado ser o mais aproximados possível a nível histórico, a história do Titanic é como "os 3 homens cegos e o elefante"... Toda a gente que lá esteve experimentou algo de diferente.

- Conheceu alguns sobreviventes? E foi fascinante ouvi-los?
- Infelizmente penso que só existem 6 ou 7 sobreviventes actualmente... E eles eram muito novos quando estiveram no navio... Tinham menos de um ano. Portanto a sua experiência é em segunda mão. Portanto os relatos em primeira mão de sobreviventes que estão agora mortos são uma forma muito mais convincente de informação.

- O que inspirou as cenas trágicas finais?
- É impossível fazer um filme sobre o Titanic sem explorar as emoções de perda e dor... E assim é necessário uma conclusão da relação dentro do contexto deste acontecimento histórico.

- Existe alguma razão para que use algums actores várias vezes (Arnold, Michael Biehn e Bill Paxton, por exemplo)?
- Sim. Isso prova que não sou o idiota que toda a gente pensa que sou!

- A sua equipa usou T-Shirts com "You don't scare me, I've worked with James Cameron" (Tu não me metes medo. Já trabalhei com o James Cameron). Que T-Shirt vestiria em resposta?
- Essa tem piada. Confiança é uma coisa maravilhosa...

- O que pensa sobre muito jornalistas que eram contra o Titanic devido ao seu custo e agora mudaram completamente a sua opinião?

- Eu diria: para a próxima vez vejam o filme antes de começarem aí a...
- O que é que o tornou tão interessado no Titanic toda a sua vida, a ponto de dedicar 3 anos dela para fazer um filme épico sobre ele?

- Eu não me interessei por ele toda a minha vida, mas sim há 10 anos atrás, quando estava a fazer pesquisa para o "Abyss". Estava interessado na tecnologia usada para explorar os destroços. Desde essa altura fiquei fascinado com a história e as pessoas que iam a bordo... E uma coisa ligou a outra...
- O que é que vai acontecer ao modelo do Titanic, todos os cenários e vestuário - será criado um museu?

- Não o chamá-mos modelo, mas sim set (+ ou - cenário). O mesmo era feito à escala 1:1 mas não se tratava do navio completo. Houve uma secção que não construímos que faz com que não tenha o comprimento completo. E este set de tamanho real já foi demolido, não existe mais... Foi deitado abaixo para dar espaço ao último filme de James Bond, que usou o nosso estúdio no México. Bond destruíu o Titanic o verão passado e nós destruímos Bond este ano.
- Leonardo DiCaprio sentiu-se assustado com toda aquela água?

- Bem... Ele nunca se assustou, simplesmente não gosta de água. Melhor dizendo: o Leo não gosta de estar na água completamente vestido. Ele gosta de estar debaixo de água em fato de mergulho. Fizemos algumas filmagens debaixo de água e ele adorou!
- O que sentiu quando viu o navio pela primeira vez?

- Hmm... Puro terror - quase chocámos com ele! No teu primeiro mergulho não tens a tua rede acústica de navegação na ordem... Assim, os mergulhos seguintes são mais controlados. Não à qualquer luz àquela profundidade. Todo o que se vê no filme foi com luz fornecida por nós. Usámos algumas luzes subaquáticas especialmente concebidas e montámo-las nos submarinos.
- Como lidou com os executivos da Fox e da Paramount quando excedeu o orçamento do filme? O que lhes disse? Mostrou-lhes os sets?

- Sim. À medida que o excesso de orçamento aumentava o relacionamento tornou-se mais tenso, mas claro que eles sempre foram bem-vindos ao cenário e sempre nos portámos como cavalheiros. Estávamos preparados para "afundar" como cavalheiros.
(fim da segunda parte...)

1 comentário:

Alencar disse...

Legal...