sábado, junho 07, 2008

CRIANÇAS NO TITANIC II


POLAR O URSO DO TITANIC 
"Oh mamã, olha o Pólo Norte, sem o Pai Natal!" - disse o pequeno Robert Douglas Spedden para a sua mãe, no bote 3 no meio do nada entre gelos à deriva. Com apenas 6 anos ele nem poderia adivinhar como essa frase iria ter um grande significado. O pequeno Robert nasceu em 19 de Novembro de 1905 em Nova Iorque, e era o único filho de Frederic Oakley Spedden e Margaretta Corning Spedden mais conhecida por Daisy. A família Spedden vivia em Toxedo, Nova Iorque e no final de 1911 decidiu fazer uma viagem até a Argélia no navio Caronia acompanhados da criada Helen Wilson e da ama de Robert, Elizabeth Burns a quem o pequeno chamava de Muddie Boons por não conseguir pronunciar o seu nome.

Da Argélia a familia foi para Monte Carlo e por fim Paris. Em Abril de 1912 embarcaram em Cherbourg no Titanic, e o pequeno Robert com a sua ama ficaram alojados no camarote E-40. A bordo do Titanic foi fotografado no dia 11 de Abril pelo Padre Brown a jogar ao peão com o seu pai por perto, pouco antes do Titanic chegar a Queenstown. Quando o Titanic bateu no icebergue, a sua Muddie Boons acordou-o carinhosamente dizendo-lhe que iam dar um passeio de barco para ver as estrelas, a sua mãe colocou-lhe nos braços o seu urso de peluche a quem deram o nome Polar e que o tinha acompanhado pelas férias no Mediterrâneo. Já no bote acabou por adormecer agarrado ao Polar e já só acordou ao amanhecer quando se deparou com os primeiros raios de sol rosados e todos aqueles icebergues. É natural que com aquele cenário tenha proferido aquela frase caricata. Quando subiu a bordo do Carpathia o seu pequeno urso Polar ficou para trás no bote 3. Para o consolar da perda de seu inseparável amigo, a sua mãe comprou outro urso na lojinha de lembranças do Carpathia. Contudo o Polar não estava perdido, quando o bote 3 foi içado para o convés do Carpathia, o urso caiu no convés e um marinheiro sobrevivente do Titanic reconheceu o urso e foi devolvê-lo ao seu dono, Robert. Desde então nunca mais o largaria. Em 1913, Daisy escreveu uma história para oferecer no Natal ao pequeno Robert. "My Story" (Minha História) era contada através dos olhos do seu urso polar de brinquedo, e descrevia o seu fabrico, a loja onde passou até ser comprado pela família Spedden, a sua viagem pela Europa, a viagem no Titanic em que Douglas Spedden ficava no cimo da entrada para a grande escadaria, e simplesmente largava o seu pequeno urso pelo fosso das escadas, vendo-o cair os cinco conveses abaixo até ao deque E, depois descia rapidamente os cinco andares para ir buscar o seu urso, voltava a subir até ao convés A e repetia a façanha de novo,  o afundamento do Titanic e o resgate das águas.
A tragédia não bateu à porta da família Spedden no Titanic, mas sim em 1915... No Verão de 6 de Agosto, uma sexta-feira, junto da casa de campo em Grindstone Neck, Winter Harbor, Robert ia atravessar a rua para recuperar a sua bolinha de ténis que saltou quando uma camionete a caminho de Bar Harbor, perto de Maine, o atropelou. O chauffeur, Foster Harrington, que não conseguiu evitar um dos primeiros desastres de carro naquele Estado norte americano, pegou nele inconsciente e levou-o até sua casa. No dia seguinte Douglas recuperou a consciencia, mas devido aos traumatismos do embate, acabou por falecer pela manhã de Domingo, 8 de Agosto de uma hemorragia cerebral. Foi sepultado em Toxedo, onde nasceu. Em 1982, um primo dos Spedden descobriu uma mala fechada e no seu interior encontrava-se o conto manuscrito por Daisy, e dessa forma em 1994, o livro My Story foi editado pela Little Brown & Co. para o grande público com o título "Polar, The Titanic Bear" (Polar, o Urso do Titanic).

4 comentários:

Alencar Silva disse...

Bela história.
Mais um excelente post, meus parabéns...

Rodrigo Aparecido Piller disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo Aparecido Piller disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo Aparecido Piller disse...

Muito obrigado por ter colocado meu blog no seu, isso me deixa muito feliz...

Nunca pude te dizer, mais seu blog é tão bom que já até o trasformei em ítem de minha coleção, imprimi tudo e fiz dele um livro...

Até mais.