sábado, fevereiro 16, 2008

RUBÁIYÁT II
DE OMAR KHÁYYÁM
Entrado no universo, sem saber porquê,
nem de onde, tal qual a água, queira ou não, a fluir;
e fora dele, como o vento em descampado
soprando, queira ou não, sem saber para onde ir.

1 comentário:

Alencar disse...

Outro verso lindo.

Também estou sem rumo, putz...

Abraços meu amigo.