terça-feira, maio 23, 2006

TITANIC
por Jefferson Krüger
Capítulo VII – O Encontro
Arthur vai a procura do irmão que está sumido desde manhã cedo. Amanda só sabe reclamar. Impaciente ela toma vários comprimidos, um atrás do outro, ao invés de ir atrás do filho rebelde.
No caminho ele encontra com Roberta Maioni e a Condessa de Rothes, que por ali passeavam. Ele pede uma informação à criada da Condessa.
ROBERTA
- O que deseja senhor?
ARTHUR (todo galante)
- Hum... Condessa, bela como sempre.
CONDESSA DE ROTHES
- Bondade sua Arthur.
ARTHUR
- Nos vemos mais tarde no jantar? Soube que teremos uma festa de aniversário. Você sabe quem iremos felicitar esta noite?
CONDESSA DE ROTHES
- Claro! Iremos sim. Hoje é aniversário da filha de uma amiga minha.
- Mas onde está sua noiva, Minah?
ARTHUR
- Ah! Ela está trancada naquele quarto. Parece uma lagarta em seu casulo negro, esperando para se tornar uma mariposa.
CONDESSA DE ROTHES
- Hahaha... Ah Arthur você é uma graça.
ARTHUR
- Bom. Mas eu queria mesmo era perguntar se sua criada sabe onde posso achar o salão de jogos da terceira classe.
ROBERTA
- É fácil, é só descer ao convés inferior por estas escadas ali à frente e achará rápido.
ARTHUR
- Muito obrigado.
ROBERTA
- Mas que mal lhe pergunte. O que o senhor deseja lá?
ARTHUR
- Ah... Gabriel resolveu desobedecer à mamãe. Foi ter suas aventuras às escondidas.
Todos riem da situação.
ARTHUR
- Bom. Tenho que ir agora. Muito obrigado e até mais.
No convés dos botes, Seal lê seu jornal sentado numa espreguiçadeira. A sua frente está a passar uma senhorita judia, Sarah, ele se encanta com ela e sorrindo a chama.
SEAL (assoviando descaradamente)
- Olá! Qual sua graça?
SARAH (desconfiada)
- Pra que deseja saber senhor?
SEAL
- Acalme-se não se aflija, só gostaria de saber o nome de tal anjo de candura.
SARAH (sorrindo)
- Me chamo Sarah.
Indo-se.
SARAH (piscando)
- Sarah Khalil. (com sotaque judeu)
SEAL (sussurando pra si)
- Prazer, Seal Henderson. (erguendo o jornal)
Ao descer as escadas, Arthur tropeça no último degrau e acaba por cair em cima de uma bela moça que ía distraída lendo seu romance de folhetim.
BARBARA
- Mas... O que pensa que está fazendo?
- Por que não olha por onde anda?
ARTHUR
- Você é que é distraída.
BARBARA
- O senhor é que é muito do grosso.
ARTHUR
- E você é uma menina mimada.
Baby hesita no próximo xingamento. Os dois continuam caídos no chão. Ele por cima dela. Arthur fica parado, perplexo com tanta beleza.
BARBARA
- Olha vamos deixar pra lá. Esqueçamos o ocorrido.
- Vamos levante-se!
- Qual seu nome?
ARTHUR
- Van Shelstter, Arthur Van Shelstter.
BARBARA
- Eu me chamo Bárbara Slavier, mas me chame de Baby.
ARTHUR (admirado)
- Baby é... Me chame de Arthur.
No convés superior, uma moça está debruçada no alambrado. Ela os observa por um momento e depois sai correndo.
MINAH
- Maldita!!!

1 comentário:

Alencar disse...

Parabéns Jefferson pela história.
Parabéns Mário pelo Blog.

Quer suspense?
Quer romance?
Quer aventura?
Quer tragédia?

Continuem lendo a história do nosso amigo Jefferson.
Aqui você encontrará tudo isso, hehehe.
A história é muito boa.