quinta-feira, maio 25, 2006

TITANIC
por Jefferson Krüger
Capítulo IV – Cherbourg
Em Cherbourg, muitas celebridades embarcaram. Dentre eles John Jacob Astor, comerciante de peles, e sua jovem esposa Madeline, de 19 anos, que estava grávida. Molly Brown, uma mulher que não tem papas na língua, mas que valoriza muito o mundo. O magnata Sir Cosmo Edmund e Lady Lucille Duff Gordon, sua esposa. Benjamin Guggenhein e sua amante Madame Aubert.
Também se encontravam a bordo do Titanic o senhor e a senhora Isador Istraus, donos da loja de departamentos de Macy’s. Coronel Archibald Gracie IV, muito amigo de Isador Istraus, por muitas décadas. A fabulosa Condessa de Rothes, acompanhada de sua prima Gladys Cherry e de sua empregada Roberta Maioni. Além do arquiteto principal Thomas Andrews, e o acionista principal da White Star Line, Joseph Bruce Ismay. J. P. Morgan o diretor da companhia não embarcou na viagem por problemas pessoais.
O navio parte então para mais uma etapa de sua viagem inaugural. O destino agora é Queenstown, na Irlanda. Em meio a este pequeno percurso de Belfast, Southampton a Queenstown, ocorreu outro acontecimento. A antepara na caldeira 5 é danificada por um incêndio irrompido na carvoaria, pouco antes da partida do navio em Belfast. Foguistas e maquinistas ainda tentavam conter a inundação.
Capítulo V – Os Van Shelstter
Chegando ao porto de Queenstown, estão embarcando mais alguns passageiros. Dentre muitos imigrantes, estavam muitos nobres.
Uma família da alta sociedade, muito conhecida na Irlanda e Inglaterra, está a embarcar para os EUA a negócios. A família sofrera grande perda de sua fortuna com a crise de 1837.
Com o final da crise, e a submersão de boa parte da fortuna dos Van Shelstter o patriarca John se suicida, pois ficara muito depressivo com a situação. Ele deixa um filho adolescente como chefe da família. Jonathan cresce depressivo, atordoado e, este também se suicida em 1900, arruinando ainda mais a fortuna.
Jonathan deixa dois filhos, Arthur e Gabriel. A esposa dele, viúva, Amanda Van Shelstter criou os filhos com o maior rigor, mas certamente não os amou o bastante, pois o mais novo Gabriel, ficou revoltado com ela.
Mas voltando a viagem. Os Van Shelstter embarcam, e ficam instalados no convés A, cabines A 12, A 14, A 16.
A comissária de bordo Violet Jessop, que também tinha noções de enfermagem é chamada para atender Gabriel. Ele está com febre alta.
JESSOP
- O que é que o moço tem?
AMANDA
- Ele está assim desde que saímos de casa. Mas deve ser mais uma birra de sua parte.
ARTHUR
- Mamãe! Deixe de lorotas. Moça ele está com febre, tem como você ver o que ele tem até que achemos o médico do navio?
JESSOP (sorrindo)
- Claro! Deixe comigo.
No convés A, na popa, um homem tira uma foto de um menino brincando com seu pião.
O Titanic faz sua parada final. Daqui pra frente ele segue direto para Nova York, a todo vapor, levando 2.223 pessoas a bordo. O capitão Edward J. Smith dá ordens para aumentar a potência para 21 nós, em alto mar.

2 comentários:

lorenna disse...

OI MÁRIO..
ESTOU ADORANDO ESTE CONTO...
BEIJINHOS
PARABÉNS...
OBRIGADA PELA GENTIL VISITA...

Alencar disse...

Parabéns Jefferson pela história
Parabéns Mário pelo Blog.