quarta-feira, abril 26, 2006

TITANIC
Atrás das portas que abriam para os corredores, encontravam-se os luxuosos camarotes, onde cada pormenor da decoração tinha sido estudado para garantir aos passageiros o máximo de conforto. Os camarotes de primeira classe do Titanic estavam decorados com estilos diversos, escolhidos entre os mais em voga nessa época. Entramos numa elegante sala de estilo Regência que fazia parte de uma das quatro suites maiores. Entrei num quarto de uma das suites do Titanic. O meu pai, amante do conforto, teve a sorte de escolher uma das suites mais luxuosas para a sua viagem para a América, C-62,64,66.
Na nossa suite a minha mãe tinha a minha irmã nos braços e conversava com os meus avós, eu estava com o meu tio a brincar com o Charlie.

Harry - E aqui, as acomodações das crianças... Eu serei o vosso empregado durante a travessia, sempre que precisarem basta um toque na campainha e eu responderei ao chamado.

George - Obrigado, Harry.

Harry - Precisa de mais alguma coisa?

George - Não, obrigado.

Arthur - Onde ficam os coletes salva-vidas?

Harry - Por cima do armário guarda-vestidos, senhor. São oito, concerteza chegam de sobra para todos. Até para o cachorrinho...

George - Só vão ficar a ganhar pó, só ocupam espaço.

Harry - Mais alguma coisa?

George - Agora sim, pode ir.

Harry - Com licença.

Harriett - Dorothy, minha querida, ainda bem que chegou. Preciso que me ajude no guarda-roupa, está um caos. Estes marinheiros não tiveram cuidado nenhum... Minha Nossa.

Dorothy - Sim, madame.

Camille - A minha mãe... contratou uma ama para as crianças e é a ela que serve o tempo todo.

Uma das primeiras expectativas a satisfazer depois de embarcar era a leitura da lista de passageiros, que alguém fazia deslizar discretamente por debaixo das portas dos camarotes.

John - A lista de passageiros?

Camille - Posso dar uma olhada?

John - Claro... Vem ao tio, minha pequenina.

A minha mãe viu a lista por distração, ela começou por ler do fim para o início...

Camille - Os Widener, os Thayer, vem o filho deles o teu amigo Jack Thayer. A Condessa de Rothes... hum... só gente ilustre.

Ela foi passando as folhas dizendo alguns nomes, o jovem Washington Roebling, os idosos Strauss, o escritor Jacques Futrelle, até que de repente parou e disse baixinho...

Camille - Fraser...? Mr. David e Mrs. Hellen Fraser...

Richard - Algum problema, mãe? Está pálida.

John - Está tudo bem?

Camille - ... sim... sim, está tudo bem, foi só um enjouo.

Richard - Mas nem se sentem os balanços do navio...

Ela sorriu... Por esta altura já era hora de comer. Podia-se iniciar a vida a bordo. A angústia e a inesperada paragem no porto de Southampton ficaram para trás esquecidas.

1 comentário:

Alencar disse...

Oba, ta esquentando a história.

As imagens escolhidas são linda.

O som sem comentário, maravilhoso.

Parabéns Mário, por este desafio.

Abraços......